DOE AGORA

Nota pública de repúdio à mensagem do Ministério da Educação

Nota pública de repúdio à mensagem do Ministério da Educação

As declarações que vêm sendo proferidas pelo ministro Ricardo Vélez Rodríguez nos sinalizam um Ministério da Educação à deriva, disseminando ideias de segregação, e, pior, diretrizes inconstitucionais.

O Instituto Vladimir Herzog repudia veementemente a mensagem emitida pelo Ministério da Educação na última segunda-feira (25) e assinada pelo ministro Ricardo Vélez Rodríguez. Na mensagem enviada às escolas públicas e privadas do país o ministro pede que alunos, professores e funcionários cantem o hino nacional em frente à bandeira do Brasil – e que a cena seja filmada e enviada ao novo governo.

“Brasileiros! Vamos saudar o Brasil dos novos tempos e celebrar a educação responsável e de qualidade a ser desenvolvida na nossa escola pelos professores, em benefício de vocês, alunos, que constituem a nova geração. Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”, diz a mensagem, referindo-se, nas duas últimas frases, ao slogan de campanha de Jair Bolsonaro. O comunicado enviado às escolas pede que diretores citem a mensagem antes da execução do hino.

A nota deixa claro que o ministro não tem conhecimento técnico sobre alguns pontos relevantes para o cargo que ocupa, como por exemplo o fato do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) não permitir captar ou difundir imagens de crianças e adolescentes sem autorização expressa dos pais ou responsáveis. Para isso acontecer seria necessário que o Ministério tivesse, por escrito, uma autorização de uso da imagem de todas as crianças matriculadas nas escolas.

Outra questão foi o Ministério da Educação enviar, diretamente, um comunicado às escolas do país. A provisão e supervisão das escolas da educação básica fundamental são de responsabilidade dos Estados e Municípios – e tal atitude atropelou secretarias e conselhos estaduais e municipais.

Já o ponto mais grave foi o pedido de que diretores lessem a mensagem que termina com “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”, frase do slogan da campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro. Com isso, o ministro fere o artigo 37 da Constituição Federal, que proíbe campanha político-partidária nas instituições públicas, ferindo os princípios da publicidade e impessoalidade.

Ainda que tenha voltado atrás (após a péssima repercussão) e dito que vai retirar o slogan do texto e solicitar as autorizações de uso da imagem das crianças e adolescentes, não é a primeira mensagem equivocada do ministro Velez. Desde que assumiu, ele sinalizou querer cobrar mensalidade de universidade pública ou limitar o acesso à universidade a uma elite intelectual, contrariando o direito de universidade pública e gratuita garantido pela Constituição, apenas para citar dois exemplos.

As declarações que vêm sendo proferidas pelo ministro nos sinalizam um Ministério da Educação à deriva, disseminando ideias de segregação, e, pior, diretrizes inconstitucionais.

Nós, do Instituto Vladimir Herzog, acreditamos que somente ações que proporcionem a melhora, fortalecimento e expansão do ensino podem contribuir com o papel transformador da educação. Nosso projeto Respeitar é Preciso!, por exemplo, trabalha valores como democracia, respeito mútuo e às diversidades e igualdade no ambiente escolar, contribuindo para redução da violência e estabelecendo novas formas de convívio frente às diversidades do dia a dia escolar.

Acompanharemos, assim, as devidas providências dos órgãos responsáveis para apurar toda e qualquer fala que fira a Constituição e que possa atrapalhar o trabalho ou depreciar a imagem de um dos órgãos mais respeitados do governo e mais importantes para o país.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing