DOE AGORA

O maestro que nos fez sonhar

O maestro que nos fez sonhar

Design sem nome (4)

Instituto Vladimir Herzog lamenta o falecimento de Martinho Lutero Galati de Oliveira, maestro referência na música coral e eterno defensor dos direitos humanos.

É com profunda tristeza que recebemos a notícia da partida do nosso querido amigo, o maestro Martinho Lutero Galati de Oliveira. Referência na música coral e homenageado em todo o mundo, Martinho será lembrado pelo seu primor como ser humano, sempre sensível e solidário.

Foi uma daquelas pessoas especiais, que alimentou nossos sonhos por um mundo mais justo, e sempre colocou a sua arte como uma ferramenta de resistência, a serviço da democracia, dos direitos humanos e da cidadania. Martinho usava a música para unir pessoas. É inestimável, por exemplo, a importância da Rede Cultural Luther King, fundada por ele em 1970 para cantar a cultura brasileira através da música coral com gente de diferentes classes sociais, cores e credos.

Martinho teve papel fundamental na criação do Instituto Vladimir Herzog e fazia parte do nosso Conselho Consultivo. Antes disso, em 2005, regeu cantores do mundo todo em um ato multirreligioso, na Catedral da Sé, em São Paulo, para marcar os 30 anos do assassinato de Herzog.

Evento de comemoração de 10 anos do IVH, em 2019, na Catedral da Sé

Na oportunidade, inclusive, estavam presentes o arcebispo dom Paulo Evaristo Arns e o rabino Henry Sobel, grandes mentores do histórico ato em memória do jornalista realizado em 31 de outubro de 1975, seis dias após o assassinato de Herzog.

Cantata “O Diário de Anne Frank”, em 2013, no Auditório Ibirapuera

Em 2010, o Coro Luther King, sob regência do maestro, esteve junto ao Instituto Vladimir Herzog numa homenagem a jornalistas mortos no exercício da profissão. A apresentação fez parte das comemorações de entrega do 32º Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

Cantata “O Diário de Anne Frank”, em 2013, no Auditório Ibirapuera

Em 2013, no Auditório Ibirapuera, regeu a cantata “O Diário de Anne Frank” para celebrar os 75 anos de nascimento de Herzog. Foi a 1ª apresentação, em todo o mundo, da íntegra da obra que retrata a história da menina vitimada pelo holocausto da 2ª Guerra Mundial.

Concerto “Mulheres… Um Canto de Resistência”, em 2014, no Auditório Ibirapuera

Em 2014, também no Auditório Ibirapuera, Martinho foi o diretor artístico do concerto “Mulheres… Um Canto de Resistência”, que homenageou as mulheres de todo o mundo, com repertório interpretado por artistas nacionais e internacionais.

Espetáculo “Vlado 40 anos: Lembrar é preciso, respeitar é preciso, cantar é preciso”, em 2015, na Catedral da Sé

Em 2015, para marcar os 40 anos do assassinato de Vladimir Herzog, o maestro foi o responsável pela direção artística do espetáculo “Vlado 40 anos: Lembrar é preciso, respeitar é preciso, cantar é preciso”, realizado na Catedral da Sé.

Evento de comemoração de 10 anos do IVH, em 2019, na Catedral da Sé

Em junho do ano passado, Lutero esteve conosco na comemoração de 10 anos do IVH, num evento na Catedral da Sé. Sob sua regência e direção artística, a orquestra Camerata Sé, da Rede Cultural Luther King, apresentou a “Missa em Dó Maior Opus 86”, de Ludwig van Beethoven.

Martinho Lutero foi uma das mais talentosas pessoas que fizeram e para sempre irão fazer parte da história do Instituto Vladimir Herzog. Sua sensibilidade e seu amor pela música foram sempre uma fonte preciosa de inspiração para nossa atuação.

Por fim, deixamos nosso abraço à querida Sira, companheira de Lutero. Como ela mesma disse, “que toda a música e todo o amor que dividiu conosco nos console”. As homenagens presenciais acontecerão num futuro próximo, dada a pandemia do coronavírus e aos riscos de contaminação.

Confira acima, em vídeo, a apresentação de “Hallellujah”, de Handel (Messias), realizada pelo Coro Luther King sob a regência do maestro Martinho Lutero Galati na Camerata Sé, em 2019, em São Paulo