DOE AGORA

NOTA OFICIAL: Instituto Vladimir Herzog exige justiça no Caso Herzog

NOTA OFICIAL: Instituto Vladimir Herzog exige justiça no Caso Herzog

O Instituto Vladimir Herzog espera que a Justiça brasileira cumpra a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) diante da importante decisão do Ministério Público Federal (MPF), que denunciou seis agentes da ditadura militar (1964-1985) pelo assassinato de Vladimir Herzog, ocorrido em 25 de outubro de 1975.

A denúncia do MPF, revelada nesta terça-feira, 17 de março de 2020, aponta como responsáveis pelo assassinato de Herzog os militares José Barros Paes, Audir Santos Maciel e Altair Casadei, que eram do comando das forças de repressão do exército; os médicos legistas Harry Shibata e Arildo de Toledo, que assinaram um falso laudo de suicídio; e o promotor Durval Moura de Araújo, que nunca denunciou os envolvidos no caso.

Nossa expectativa agora é que a Justiça brasileira aceite imediatamente a denúncia do MPF e os acusados possam ser levados a julgamento, colocando um ponto final nesses 45 anos de impunidade.

Em outubro de 1978, o juiz Márcio José de Moraes responsabilizou o Estado brasileiro pela prisão ilegal do jornalista e por não zelar por sua integridade física e moral. Além disso, classificou de crime de abuso de autoridade a prática de tortura e condenou a União a indenizar a viúva e os filhos de Herzog pelos danos materiais e morais decorrentes de sua morte, além de exigir do Ministério Público a apuração das responsabilidades criminais dos envolvidos.

40 anos depois, em julho de 2018, a Corte IDH condenou o Estado brasileiro pela falta de investigação, julgamento e punição aos responsáveis pela tortura e pelo assassinato de Herzog.

A denúncia do MPF reforça, portanto, a necessidade de o Estado assumir sua responsabilidade nos crimes cometidos contra Herzog.

Segundo o documento do MPF, “o homicídio de Vladimir Herzog foi cometido por motivo torpe, consistente na busca pela preservação do poder usurpado em 1964, mediante violência e uso do aparato estatal para reprimir e eliminar opositores do regime e garantir a impunidade dos autores de homicídios, torturas, sequestros e ocultações de cadáver. O homicídio praticado pelos denunciados foi cometido com o emprego de tortura, consistente na inflição intencional de sofrimentos físicos e mentais agudos contra a vítima, com o fim de intimidá-lo e dele obter informações. Por fim, a ação foi executada mediante recurso que tornou impossível a defesa do ofendido”.

O assassinato de Herzog foi um crime de lesa-humanidade e não está sujeito a prescrição ou anistia. Não podemos mais aceitar a interpretação que relativiza as graves violações de direitos humanos cometidas durante a ditadura militar e utiliza a Lei de Anistia como subterfúgio para impedir investigações e garantir proteção aos torturadores da ditadura.

A impunidade deixou um legado no imaginário coletivo que se traduz na tolerância à violência do Estado e, muitas vezes, no reconhecimento da legitimidade do uso desproporcional da força. Em plena democracia, cidadãos convivem com ações policiais e intervenções militares que têm características muito semelhantes à dos aparatos de repressão da ditadura.

A Justiça brasileira, agora, tem a chance de começar a desconstruir esse legado autoritário e se adequar a acordos internacionais de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário de forma soberana e voluntária.

O Instituto Vladimir Herzog, por sua vez, continua em sua luta para que a justiça seja alcançada e para que todos os casos de graves violações de direitos humanos do passado e do presente sejam investigados e punidos. É um processo absolutamente fundamental para que possamos virar esta página sombria de nossa história, especialmente no momento atual do país, em que convivemos com tentativas grosseiras de revisionismo que tentam relativizar a gravidade dos atos cometidos durante esse período sombrio, marcado por autoritarismo, corrupção e episódios de violência perpetrados contra cidadãos em todo o Brasil.

Por fim, reforçamos o pedido de urgência feito pelo MPF para que o caso seja analisado o mais breve possível.

You, my friend, are a big organism get amoxicillin online no prescription as an adult human, you have three to four pounds of beneficial bacteria and yeast living within your intestines where to buy amoxil. You, my friend, are a big organism buy ampicillin no prescription some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (nsaids) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy antibiotics without prescription back in the 1950s, two researchers in albany, new york, worked to develop an antimicrobial drug from a substance produced by a soil-based fungus. You, my friend, are a big organism order azithromycin online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans buy baclofen no prescription. You, my friend, are a big organism buy ciprofloxacin no prescription however, every time you swallow antibiotics, you kill the beneficial bacteria within your intestines purchase neurontin online so, it should come as no surprise that weight gain counts as one of the telltale signs of antibiotic damage and subsequent yeast overgrowth.