DOE AGORA

Morre Lúcio Bellentani, exemplo de luta pela democracia e pelos trabalhadores do Brasil

Morre Lúcio Bellentani, exemplo de luta pela democracia e pelos trabalhadores do Brasil

Lúcio Bellentani, de 74 anos, foi preso em 1972 em plena fábrica da Volkswagen em São Bernardo e torturado. Caso foi investigado por comissões da verdade e é acompanhado pelo Ministério Público.

O ex-metalúrgico Lúcio Bellentani morreu na manhã desta quarta-feira, 19 de junho, aos 74 anos. Ele foi preso em 1972 em plena fábrica da Volkswagen em São Bernardo e torturado. Bellentani foi ainda o principal personagem do documentário “Komplizen? (Cúmplices?) – A Volkswagen e a ditadura militar brasileira”, lançado na Alemanha em 2017 pelos jornalistas Stefanie Dodt e Thomas Aders, retratando a colaboração da empresa com o regime ditatorial.

Filho de camponeses, Bellentani chegou a São Paulo em meados dos anos 1950. Entrou na Volkswagen de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, em 1964. Em julho de 1972, então ferramenteiro da Volks e militante do PCB, foi preso por agentes na própria fábrica, torturado no local e posteriormente no Dops, onde permaneceu durante oito meses. Ele se tornou um dos principais exemplos da colaboração que muitas empresas, públicas e privadas, deram à ditadura, o que se tornou objeto de investigação de diversas comissões da verdade instaladas pelo país, inclusive a nacional (CNV), que reservou um capítulo específico ao tema em seu relatório final.

Segundo o vice-presidente da Associação Henrich Plagge (homenagem a outro ex-metalúrgico), Tarcísio Tadeu, ainda ontem Bellentani, que presidia a entidade, participava de reunião em São Bernardo, quando se sentiu mal. Chegou a escarrar sangue e teve súbitos aumento e queda da pressão arterial. Socorrido, voltou para casa, em Jacareí, no interior paulista. Lá, voltou a passar mal, foi internado, entrou em coma e morreu no final da madrugada.

Há pouco mais de um mês, Bellentani e outros ex-metalúrgicos da Volks estiveram na fábrica, cobrando da empresa uma reparação, incluindo um pedido formal de desculpas, por suas atitudes durante a ditadura. “Os protagonistas não estão participando da negociação (com o Ministério Público)”, protestou.

“Desde o início do Caso Volks, Lúcio foi incansável militante. Ia onde fosse necessário para testemunhar e pedir REPARAÇÃO pelos crimes cometidos pela Volks e outras empresas”, afirmou, em nota, o IIEP (Intercâmbio, Informações, Estudos e Pesquisas), lembrando o “longo percurso” de Bellentani como militante e destacando sua presença na Oposição Metalúrgica de São Paulo e na fábrica da Ford em São Paulo. O dirigente também era fundador e presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados do Brasil (Sinab), filiado à CSB.

O velório está previsto para começar às 10h, na Câmara Municipal de Jacareí. O sepultamento será realizado às 16h. Bellentani tinha duas filhas e um filho do primeiro casamento. Do atual, com Maria Sérgia, uma enteada.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing