DOE AGORA

Em evento na ONU, governo brasileiro se recusa a reconhecer o golpe de 1964

Em evento na ONU, governo brasileiro se recusa a reconhecer o golpe de 1964

Relator da ONU fala em “volta à Idade Média” e OAB diz que postura do Itamaraty foi “último prego” nas políticas de Memória e Verdade. Governo tem ignorado pedido de relator da ONU para visitar o Brasil.

Por Jamil Chade, do UOL

O governo de Jair Bolsonaro se recusou a reconhecer na ONU a existência de um golpe de estado em 1964 no Brasil, no primeiro gesto público desta natureza no fórum internacional desde a redemocratização.

Num evento realizado pela OAB, relatores internacionais e entidades, o Itamaraty também evitou usar o termo “regime militar” e insistiu em falar de “eventos entre 1964 e 1985”.

A intervenção foi feito nesta terça-feira, num encontro realizado pela OAB, Instituto Herzog e que contou com a presença de relatores internacionais em Genebra. O grupo, dentro da sede das Nações Unidas, denunciava de forma inédita o desmonte dos mecanismos de Justiça, Memória e Verdade por parte do governo de Bolsonaro.

Brasília não mandou nem sequer sua embaixadora na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, ao evento. A ministra de Direitos Humanos, Damares Alves, está na Hungria. Mas não se deu o trabalho de fazer a viagem até Genebra, poucas horas de vôo da Suíça.

Em nome do Itamaraty, um diplomata declarou que o governo “saúda o debate público sobre os eventos entre 1964 e 1985”.

Uma jornalista mexicana, então, pediu a palavra e questionou o governo com uma pergunta direta: houve ou não houve golpe?

Uma vez mais, o diplomata evitou confirmar a existência do golpe e apenas explicou que já enviou em abril uma carta às Nações Unidas com a posição do governo brasileiro. Nela, o Planalto insiste que os “eventos” de 64 foram “legítimos” e que faziam parte da luta contra o comunismo.

“O presidente reafirmou em várias ocasiões que não houve um golpe de Estado, mas um movimento político legítimo que contou com o apoio do Congresso e do Judiciário, bem como a maioria da população. As principais agências de notícias nacionais da época pediram uma intervenção militar para enfrentar a ameaça crescente da agitação comunista no país”, diz a carta.

“Já enviamos uma correspondência ao relator da ONU”, disse a delegação brasileira nesta terça-feira. “O importante é recordar os eventos e ter um debate público”, insistiu o diplomata, em resposta à jornalista estrangeira. “O que faltou foi um debate publico mais amplo e agora está ocorrendo em nosso país”, completou.

Essa é a primeira vez que o Brasil adota tal comportamento em um evento público dentro da sede da ONU. A posição do governo ocorre dias depois que Bolsonaro teceu elogias ao ditador Augusto Pinochet e depois de seu filho, Carlos Bolsonaro, insinuar nas redes sociais que as “vias democráticas” não estariam dando os resultados desejados ao país.

Em seu discurso em Genebra, o diplomata insistiu que o Brasil “não está numa ditadura pelo voto” e que o presidente foi eleito democraticamente. Ele também garantiu que o estado busca “manter seu compromisso com a democracia”.

O representante do Itamaraty insistiu que a recomendação de Bolsonaro aos militares no dia 31 de março não foi para “celebrar”. Mas sim “recordar” o acontecimento. Segundo ele, tal ato não buscou justificar violações de direitos humanos. “Mas sim abrir um debate mais amplo sobre esse período”.

O governo também se recusou a aceitar que há um desmonte das instituições de Memória. “Não estamos virando as costas para esses temas”, garantiu, lembrando que a crise econômica foi o motivo para a retirada de fundos.

Constrangimento
Sua fala gerou um constrangimento entre os participantes e repercutiu, segundo o UOL apurou, até mesmo em Brasília. Glenda Mezarobba, representante do Instituto Vladimir Herzog, pediu a palavra e respondeu à jornalista mexicana. “Sim, houve um golpe de estado em 1964”, declarou.

Enquanto pessoas na sala balançavam a cabeça diante da resposta do governo, o relator especial da ONU para a Promoção da Verdade, Justiça e Reparação, Fabián Salvioli, fez um alerta: “o passado sempre volta se não for abordado de forma correta”. “Precisamos abordar seriamente e isso significa cuidar das vítimas”, declarou. Para ele, a atenção aos direitos humanos “é o único caminho possível”. “Caso contrário, em cem anos vamos estar aqui”, alertou.

Durante o evento, que ocorreu às margens do Conselho de Direitos Humanos da ONU, Salvioli lamentou a onda “negacionista” e lembrou da troca de carta entre seu escritório e o governo brasileiro, em abril. “Lamento que, no lugar de gerar uma reflexão positiva, a resposta foi insistir num sério erro”, disse. “É um erro ir contra assuntos universalmente aceitos, como o repudio à tortura. Isso é universal. Dar voltas a essa posição é voltar à Idade Média, e isso é um problema”, atacou o relator.

O UOL revelou que Salvioli fez um pedido para realizar uma missão ao Brasil, justamente para investigar a situação dos mecanismos e a resposta do estado diante da Ditadura. O governo, porém, tem ignorado seu pedido.

Glenda, diante da postura do governo brasileiro, fez um apelo público para que o Planalto permita a viagem do relator. Segundo ela, o governo federal está “virando as costas para as graves violações de direitos humanos” e lembra que foi eleito um presidente que “faz apologia à violência e defende torturadores”.

José Carlos Dias, presidente da Comissão Arns, se disse “indignado” diante da postura do presidente Bolsonaro de fazer “apologia da tortura”. “Precisamos tentar salvar a democracia brasileira”, disse. Segundo ele, os mecanismos de Justiça e Memória “estão sendo boicotados pelo atual regime político brasileiro”, “Nesse momento, estamos vivendo um clima de medo, um clima de autoritarismo. Estou temendo que estejamos alcançando a ditadura pelo voto”, alertou.

Helio Leitão, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, não escondia sua indignação. “Esse negacionismo é motivo de muita preocupação”, disse ao UOL, ao terminar o evento. “O que ocorreu hoje aqui é um grave indicativo de que a atual política busca legitimar o golpe de 64. Isso é uma guinada na política externa brasileira e isso crava o último prego nas políticas de verdade e memória do Brasil”, afirmou.

Em sua avaliação, ao se recusar a reconhecer que o Golpe existiu, o governo está fomentando a violência. “Isso é a promoção do extermínio da diferença. A consciência democrática pressupõe a valorização das diferenças. No momento que tenho, partindo do Planalto, uma sinalização inequívoca de legitimação do Golpe Militar e ruptura democrática, o que se sinaliza é uma política de intolerância. Não é por acaso que vemos uma alta na violência da polícia. Isso fomenta mais ódio e violência”, disse.

Segundo ele, as sinalizações do Planalto estão sendo “muito bem compreendidas pelos grupos reaccionários da sociedade e se traduz em violência”.

Em seu discurso, Leitão alertou que as “políticas de justiça de transição do Brasil foram desmanteladas nos últimos anos, seja por meio de fundos insuficientes ou a substituição de membros especializados por membros que não tem nem experiência e nem afinidade com o assunto”.

“O governo brasileiro tem insistido reiteradamente numa mudança de narrativa inquietaste sobre as atrocidades cometidas durante a última ditadura, incluindo a instrução aos militares para comemorar o golpe de 31 de março de 1964”, disse.

Leitão destacou o empecilho que representa a Lei de Anistia. “Isso levou à impunidade de vários crimes cometidos pelo estado durante a ditadura”, disse. “Em outras palavras, gera uma instancia de auto-anistia, frente aos agentes do estado que claramente é contrair aos padrões da ONU”, afirmou.

Pedido de desculpas
Para o relator da ONU, só existe reconciliação entre as vítimas e o estado quando houve um pedido oficial de desculpas pelo crime. Mas ele lamenta que esse não tem sido o caminho. “Se no lugar de pedir desculpas se nega os fatos  Topo e se questiona o trabalho da Comissão da Verdade, então as vitimas voltam a ser vítimas. E isso é inaceitável”, declarou.

Para ele, retroceder no reconhecimento dos crimes da ditadura “não é juridicamente possível e nem eticamente válido”. Isso não é aceito pela comunidade internacional que, depois de uma transição, se retroceda”, disse.

Ao concluir sua fala, o relator da ONU fez um alerta: não há paz legítima em um país se a Verdade e a Justiça forem negadas. “Uma sociedade escolhe. Mas os governos são os que propõe os valores. As vezes, temos que escolher entre a humilhação e negação ou a Verdade e Justiça, e isso é responsabilidade de todos”, completou.

Antonia Urrejola, representante da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, também destacou como, ao longo dos anos, o Brasil fez um esforço muito importante pelo direito à Verdade e reparação. Mas alertou que o debate “nunca foi da sociedade” e se limitou às vítimas e aos familiares. “Minha sensação é de que houve um debate de grupos. Não um debate de país”, lamentou.

A representante relatou como, em novembro, liderou uma missão da Comissão ao Brasil e descobriu como o país “não conseguiu abordar e resolver suas dívidas históricas”.

Para assistir ao evento, acesse aqui. Pedimos desculpas, mas, infelizmente, problemas técnicos inviabilizaram a gravação das primeiras falas da audiência.

You, my friend, are a big organism get amoxicillin online no prescription as an adult human, you have three to four pounds of beneficial bacteria and yeast living within your intestines where to buy amoxil. You, my friend, are a big organism buy ampicillin no prescription some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (nsaids) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy antibiotics without prescription back in the 1950s, two researchers in albany, new york, worked to develop an antimicrobial drug from a substance produced by a soil-based fungus. You, my friend, are a big organism order azithromycin online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans buy baclofen no prescription. You, my friend, are a big organism buy ciprofloxacin no prescription however, every time you swallow antibiotics, you kill the beneficial bacteria within your intestines purchase neurontin online so, it should come as no surprise that weight gain counts as one of the telltale signs of antibiotic damage and subsequent yeast overgrowth.