DOE AGORA

Projeto Heroínas dessa História lança campanha de financiamento coletivo

Projeto Heroínas dessa História lança campanha de financiamento coletivo

Organizado pelo IVH, o livro pretende contar a trajetória de 15 mulheres que lutam por Memória, Verdade e Justiça

O projeto Heroínas dessa História, organizado pelo Instituto Vladimir Herzog, lança nesta segunda-feira (18 de março) uma campanha de financiamento coletivo para terminar de produzir seu primeiro conteúdo: um livro que contará a trajetória de 15 mulheres que tiveram seus familiares assassinados e desaparecidos por agentes do Estado durante a ditadura militar (1964-1985) e transformaram suas vidas em luta por Memória, Verdade e Justiça.

A campanha ficará no ar por 45 dias, até o dia 29 de abril, e pretende arrecadar 150 mil reais para finalizar a produção dos perfis do livro, que será lançado no final deste semestre. O Heroínas é um livro sobre mulheres e inteiramente produzido por mulheres. Serão 15 perfis redigidos por 15 autoras jornalistas. Eles tocam em diferentes aspectos da ditadura militar brasileira e abrangem as diversas regiões do país, retratando um mosaico de resistências cotidianas.

As doações envolvem diferentes opções de valores (entre 10 e 1000 reais) e também de recompensas, que vão desde uma edição impressa do livro a cartazes, ecobags e bottons exclusivos do projeto. Também será possível escolher outras publicações do IVH. Todos os doadores terão um agradecimento público e nome na galeria de apoiadores.

Participe e faça sua doação no Catarse! Por memória, verdade e justiça!

Acesse o link: www.catarse.me/heroinas

SOBRE O HEROÍNAS DESSA HISTÓRIA

A obra pretende jogar luz sobre o percurso dessas mulheres, protagonistas de grandes batalhas, mas que tiveram suas caminhadas invisibilizadas. São histórias que começaram durante a ditadura militar (1964-1985) e seguem até os dias de hoje.

São mães, esposas, filhas e irmãs de homens e mulheres que morreram nas mãos dos agentes da repressão e de quem pouco se sabe. Foi graças à determinação delas que foi possível recontar parte da história das vítimas e obter algumas vitórias na Justiça. Agora, neste livro, queremos contar os caminhos que percorreram e prestar-lhes homenagem.

A intenção do Instituto Vladimir Herzog é que o “Heroínas desta história” se transforme em um projeto permanente, com edições bianuais, e que tratem da grande diversidade de mulheres que atuou em busca de esclarecimento das circunstâncias das mortes de seus familiares.

SOBRE AS MULHERES

Ana Dias: Liderança da Zona Sul de São Paulo que organizou a luta de mulheres por direitos e viúva do operário Santo Dias, assassinado pela ditadura. Participa ativamente do Comitê Santo Dias e anualmente organiza atos no local onde Santo foi morto.

Carolina Rewaptu: Cacica Marawatsede, virou professora para entender a perseguição sofrida por seu povo no Mato Grosso, expulso de sua terra pela ditadura. Ela foi uma das lideranças na investigação das mortes provocadas pelo deslocamento forçado e na retomada das terras.

Clarice Herzog: Publicitária, Clarice tem travado uma luta contínua para esclarecer as circunstâncias e os responsáveis pela morte de seu companheiro, o jornalista Vladimir Herzog, preso, torturado e assassinado no DOI-Codi. Recentemente conquistou a condenação do Estado brasileiro pela omissão em elucidar o crime e punir os torturadores.

Clara Charf: Foi militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e da Ação Libertadora Nacional (ALN), fundada por seu companheiro de vida e militância Carlos Marighella, morto em em 1969. Clara se exilou em Cuba, onde viveu até 1979. Desde o retorno tem lutado para manter viva a memória do companheiro.

Crimeia Schmidt de Almeida: Ex-guerrilheira do Araguaia, companheira de Andre Grabois, desaparecido em 1973. Aos seis meses e meio de gravidez, foi sequestrada e torturada. Uma das fundadoras da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos. Em 2005, ela e familiares foram vitoriosos em ação movida contra o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, primeiro agente da ditadura a ser declarado torturador.

Damaris Lucena: Operária maranhense, atuou na militância sindical e de oposição à ditadura. Foi companheira de Antônio Raymundo Lucena, morto em 1970. Damaris foi presa junto com os filhos e torturada nas dependências da Oban. Banida do país, foi para o México com os filhos e de lá para Cuba, onde ficou até a Anistia. Desde então luta por Justiça pelo marido.

Diana Piló Oliveira: Mãe de Pedro Alexandrino Oliveira Filho, o “Peri’, desaparecido em 1974. A casa de seus pais foi várias vezes invadida por policiais à sua procura. Não suportando as constantes invasões, Diana, mudou-se para o Rio de Janeiro para tentar ter notícias do paradeiro do filho, o que aguarda até hoje, aos 95 anos.

Elizabeth Teixeira: Liderança camponesa, militou nas Ligas Camponesas e até hoje é grande uma referência. Presa várias vezes, perseguida pela ditadura e por jagunços, teve que ir para a clandestinidade após o assassinato do marido, João Pedro Teixeira, em 1962. Fugindo da perseguição, Elizabeth e os 11 filhos não conseguiram seguir juntos para escapar da morte, indo cada um para um canto diferente do Brasil.

Elzita Santa Cruz: Um século de vida, metade dedicada à luta pela memória. Ela ainda espera estar viva para receber notícias do filho, Fernando Santa Cruz, desaparecido nas mãos do Estado, em 1974. Sua busca inspirou outras famílias Brasil afora e ela tornou-se um símbolo da luta pela memória dos anos de chumbo.

Eunice Paiva: Foi casada com o deputado Rubens Paiva, desaparecido pela ditadura em 1971. Ficou 12 dias presa no DOI-Codi do Rio de Janeiro com a filha de 15 anos. Eunice passou a exigir a verdade sobre o paradeiro do marido, o reconhecimento de sua morte e a revelação de onde o corpo estaria enterrado, o que jamais descobriu. Formou-se advogada aos 47 anos e passou a militar pela verdade e direitos civis dos desaparecidos e de seus familiares.

Genivalda Melo da Silva: Foi casada com José Manoel da Silva, cabo da Marinha morto pela ditadura na ação conhecida como Massacre da Chácara São Bento, em 1973, e enterrado como indigente. Após a morte do marido, foi presa e estuprada. Depois de solta, não desistiu até conseguir enterrar as ossadas do marido em sua terra natal, em 1995.

Maria José Araújo: mãe de Luiz Almeida de Araújo, desaparecido em São Paulo numa ação até hoje não esclarecida. Foi à sede do DOI-CODI/SP com seu outro filho, Manoel, onde sofreram uma série de constrangimentos. Dona Maria José ainda aguarda respostas do Estado sobre o paradeiro do filho.

Marli Pereira Soares: Ficou conhecida como Marli Coragem, pois em 1979 testemunhou o assassinato de seu irmão, Paulo, pela polícia militar, no Rio de Janeiro. Enquanto estava na delegacia para fazer a denúncia, reconheceu e apontou um dos assassinos de seu irmão, que nunca foi preso. Ao contrário, passou a sofrer ameaças e se manteve escondida por muito tempo. Anos mais tarde, seu filho Sandro, de 15 anos, também foi assassinado pela polícia.

Ilda Martins da Silva: Viúva de Virgílio Gomes da Silva, o primeiro desaparecido da ditadura militar. Em 1969, Ilda foi presa com três de seus quatro filhos. Ficou detida por nove meses, permanecendo incomunicável por todo o período. Depois de solta e sem conseguir emprego, exilou-se no Chile e depois em Cuba, com os quatro filhos. Ilda segue lutando para saber onde está o corpo do marido.

Zuzu Angel: Estilista internacionalmente conhecida, procurou incansavelmente o filho, Stuart Edgard Angel Jones, morto pela ditadura, abordando autoridades nacionais e internacionais e concedendo entrevistas à imprensa, tendo alcançado grande repercussão. Morta em circunstâncias suspeitas,e acredita-se que possa ter sido também vítima dos agentes da repressão.

You, my friend, are a big organism get amoxicillin online no prescription as an adult human, you have three to four pounds of beneficial bacteria and yeast living within your intestines where to buy amoxil. You, my friend, are a big organism buy ampicillin no prescription some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (nsaids) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy antibiotics without prescription back in the 1950s, two researchers in albany, new york, worked to develop an antimicrobial drug from a substance produced by a soil-based fungus. You, my friend, are a big organism order azithromycin online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans buy baclofen no prescription. You, my friend, are a big organism buy ciprofloxacin no prescription however, every time you swallow antibiotics, you kill the beneficial bacteria within your intestines purchase neurontin online so, it should come as no surprise that weight gain counts as one of the telltale signs of antibiotic damage and subsequent yeast overgrowth.