DOE AGORA

O exercício livre do jornalismo é vital para a democracia

O exercício livre do jornalismo é vital para a democracia

No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, celebrado neste 3 de maio, compartilhamos aqui a nota pública do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), colegiado do qual o Instituto Vladimir Herzog faz parte por meio da Comissão Permanente de Direito à Comunicação e Liberdade de Expressão.

O Brasil está entre os países com o maior número de jornalistas assassinados na América Latina. O estudo “Violência Contra Comunicadores no Brasil” realizado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e publicado em abril de 2019 mapeou 64 casos de comunicadores assassinados no país entre 1995 e 2018, dos quais 43 desde 2010.

Em meio à pandemia da Covid-19, o CNDH ressalta a importância do trabalho da imprensa como serviço essencial, fazendo com que informações sobre a crise sanitária, e sobre as outras questões desencadeadas por ela, cheguem à população.

Neste aspecto, importa evidenciar que qualquer medida estatal para proteger a imprensa deve refletir a valorização do acesso à informação, bem como da liberdade de difundir e buscar informação.


Confira aqui a nota na íntegra:

Nota pública do CNDH por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa (3 de maio), vem a público reforçar o caráter do exercício do livre jornalismo como instrumento vital para uma sociedade bem-informada e democrática. Em meio à pandemia da Covid-19, o CNDH ressalta a importância do trabalho da imprensa como serviço essencial, fazendo com que informações sobre a crise sanitária, e sobre as outras questões desencadeadas por ela, cheguem à população.

O Brasil está entre os países com o maior número de jornalistas assassinados na América Latina. O estudo “Violência Contra Comunicadores no Brasil” realizado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e publicado em abril de 2019 mapeou 64 casos de comunicadores assassinados no país entre 1995 e 2018, dos quais 43 desde 2010.

Nesse contexto, o Conselho manifesta profunda preocupação com a intensificação das investidas contra a imprensa partindo muitas vezes dos próprios órgãos e autoridades que deveriam defendê-la. A proliferação de estratégias de desinformação e o discurso oficial cada vez mais orientado para ataques a jornalistas e meios de comunicação incentivam a desconfiança e até o rechaço para com o jornalismo e aprofundam a deterioração das condições para o livre exercício da atividade. Tal processo se materializa em ameaças e ataques físicos, discurso de ódio e campanhas de difamação, ataques digitais, processos judiciais abusivos e discursos públicos estigmatizantes, censura e perseguição, que são diretamente promovidos ou incentivados por autoridades públicas das mais altas esferas do Estado, tendo como porta voz recorrente o próprio Presidente Jair Bolsonaro.

A preocupação com a situação da liberdade de expressão no país foi inclusive manifestada pela sociedade civil em audiência pública promovida pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), realizada no último dia 6 de março no Haiti. Na ocasião, O Relator Especial para a Liberdade de Expressão da OEA, Edison Lanza, pediu explicações sobre a retórica anti-imprensa que vem sendo adotada por autoridades públicas: “Nenhuma política de proteção à liberdade de expressão pode ser consolidada sem haver política de prevenção. E prevenir ataques à liberdade de expressão inclui promover e valorizar o trabalho jornalístico. O que o governo Bolsonaro tem feito é apostar numa retórica anti-imprensa. Não há política efetiva se propaga-se, de forma sistemática, que tudo que a imprensa faz é fake news e mentira”.

Neste aspecto, importa evidenciar que qualquer medida estatal para proteger a imprensa deve refletir a valorização do acesso à informação, bem como da liberdade de difundir e buscar informação.

Diante do panorama descrito e à luz do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, o CNDH relembra a recomendação No 07, de 13 de junho de 2019, que aponta o tratamento a ser dado a comunicadores por parte de agentes públicos. As recomendações compilam diversas diretrizes estabelecidas em normas nacionais e internacionais, como:

  • A adoção de um discurso público que contribua para prevenção da violência contra comunicadores e para a construção de um ambiente favorável à liberdade de expressão e ao livre jornalismo;
  • A condenação pública, inequívoca e sistemática de qualquer forma de violência contra jornalistas e a exortação à ação das autoridades responsáveis pela investigação dos fatos e pela punição dos responsáveis;
  • O reconhecimento constante, explícito e público da legitimidade e do valor do jornalismo e da comunicação, mesmo em situações em que a informação divulgada possa ser crítica ou inconveniente aos interesses do governo

Tais recomendações reverberam a Cartilha Aristeu Guida da Silva, publicada em 2018 pelo então Ministério dos Direitos humanos e reeditada pelo atual Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos em março de 2020. A cartilha editada pelo próprio Governo Federal, às vésperas da audiência da CIDH, cumpre destacar, recupera as normas internacionais sobre violência contra a imprensa e as obrigações do Estado de acordo com a jurisprudência do sistema interamericano de direitos humanos: prevenir os crimes contra pessoas por razão do exercício de seu direito à liberdade de pensamento e expressão; de proteger as pessoas que se encontrem em risco especial em razão da prática jornalística; e de investigar, julgar e punir criminalmente os responsáveis pelos crimes cometidos contra jornalistas e outros comunicadores e comunicadoras.

Neste dia internacional da liberdade de imprensa, o CNDH reitera a obrigação do Estado na prevenção dos ataques a jornalistas e comunicadores, incluindo os populares, que engloba o papel crucial do discurso público das autoridades na sinalização para a sociedade que qualquer prática violenta em relação à mídia é, na realidade, uma grave ameaça à própria democracia. Segundo o documento, tal prevenção passaria ainda pela capacitação de agentes públicos, em especial as forças policiais e representantes do Sistema de Justiça, a respeito do exercício do jornalismo e da sua importância para a democracia.

 

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing