DOE AGORA

Instituto Vladimir Herzog vai à ONU para denunciar situação de políticas contra o desaparecimento forçado

Instituto Vladimir Herzog vai à ONU para denunciar situação de políticas contra o desaparecimento forçado

Ao lado de outras entidades, o IVH enviou um ofício à ONU informando as ameaças que as políticas de enfrentamento ao desaparecimento forçado estão sofrendo no Brasil.

Organizações de direitos humanos, entre elas o Instituto Vladimir Herzog, encaminharam à Organização das Nações Unidas (ONU) um ofício para informar as ameaças que as políticas de enfrentamento ao desaparecimento forçado estão sofrendo no Brasil.

Assinam o documento, além do Instituto Vladimir Herzog, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), o Instituto Ethos, a Comissão Arns e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Para essas entidades, a substituição de quatro conselheiros da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos (CEMDP) por militares e integrantes do Partido Social Liberal (PSL) – o partido de Jair Bolsonaro – é uma explícita ingerência do governo sobre um órgão de Estado.

Entre os nomes que foram exonerados, destaca-se o de Eugênia Gonzaga, procuradora regional da República, que foi retirada da presidência da CEMDP, contrariando sua própria constituição, que determina que o órgão deve incluir representantes de distintos setores do poder democrático e da sociedade civil.

Os novos nomes indicados pelo presidente possuem histórico de declaração favoráveis à ditadura militar. Além disso, as declarações de Jair Bolsonaro, sinalizando que a CEMDP receberia um direcionamento próprio de um governo de direita, mostram que há uma orientação político-ideológica que está sendo imposta no principal órgão do Estado brasileiro de combate ao desaparecimento forçado.

Além disso, o famoso decreto do “revogaço” – que extinguiu sumariamente órgãos e entidades do Estado estabelecidos para assegurar a participação da sociedade civil na tomada de decisões orientadoras de políticas públicas – colocou em xeque a continuidade das atividades de grupos e órgãos que trabalham com os direitos humanos, o direito à memória, à verdade e à justiça, e contra os desaparecimentos forçados.

Diante desses e de outros sinais extremamente preocupantes, o Instituto Vladimir Herzog, a OAB, a Comissão Arns, o Instituto Ethos e a ABI solicitam à ONU o acompanhamento da atuação do referido grupo, pedindo esclarecimentos ao Estado brasileiro sobre tais fatos.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing