DOE AGORA

EDITORIAL: A dor que acordou o Brasil

EDITORIAL: A dor que acordou o Brasil

EDITORIAL

A Dor que Acordou o Brasil

As manifestações que tomaram conta do país nos últimos dias podem ser encaradas como o transbordamento da insatisfação que estava estancada na população brasileira diante da violência, da perseguição e da criminalização dos mais pobres e de tantos outros retrocessos e violações de direitos humanos impostos em nosso país.

Nossa democracia está ferida, ameaçada e a execução de uma vereadora que dedicou sua vida à defesa da justiça e da dignidade humana deixa isso escancarado.

O momento exige de todos nós a sensibilidade e a força necessárias para honrar a vida, a trajetória e a luta de Marielle.

A história nos lembra que no dia 25 de outubro de 1975, em meio à ditadura que nos aterrorizou por mais de duas décadas, Vladimir Herzog foi brutalmente assassinado pelas forças do regime militar. Sua morte provocou comoção em todo o país. Mas foi pelo empenho e pela determinação de Clarice Herzog, de Dom Paulo Evaristo Arns e daqueles que defenderam a democracia de forma incansável, que toda aquela dor se transformou em luta.

Uma semana depois do assassinato de Herzog, no dia 31 de outubro, mesmo com a cidade de São Paulo tomada por barreiras policiais que pretendiam impedir qualquer manifestação popular, milhares de pessoas foram à Catedral da Sé exigir o fim das atrocidades promovidas por um Estado violento e autoritário.

A ditadura ainda demoraria quase dez anos para chegar ao fim, mas as manifestações populares que se seguiram em outras cidades do país foram determinantes para a abertura política e o início da redemocratização do Brasil.

Agora, 43 anos depois e mais do que nunca, é imprescindível que tenhamos a determinação de Clarice, de Dom Paulo e de todos aqueles que, sob a inspiração de Vladimir Herzog, bradaram contra o regime militar.

Marielle tinha coragem, tinha legitimidade e não tinha medo de se posicionar. Em vida, foi uma dessas pessoas que nos mostraram a direção certa a seguir. Com seu trabalho, sua luta e sua energia, deu a quem mais precisava a possibilidade de ter esperança.

Ao morrer, tornou-se ainda maior: atraiu a atenção de todos, mostrando que a única política que vale a pena é aquela que é feita pelas pessoas e para as pessoas.

Nesta semana, sete dias após o assassinato de Marielle, o Instituto Vladimir Herzog lança um novo projeto – o Usina de Valores, que busca, acima de tudo, estabelecer o diálogo e valorizar as diferenças, a democracia, a liberdade de expressão e os direitos humanos.

Em meio a tanto preconceito, discursos de ódio e intolerância que vieram à tona nos últimos dias, este projeto é uma contribuição importante para prosseguirmos com a luta de Marielle.

Nosso compromisso é fazer com que este momento de dor e revolta se transforme em um basta e, a partir dele, em um movimento capaz de romper com as violências e violações que temos vivido no Brasil.

É assim que faremos com que Marielle continue sempre presente. E isso só depende de nós.

Rogério Sottili
Diretor executivo do Instituto Vladimir Herzog

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing