DOE AGORA

Brasil registra aumento de violações de direitos humanos

Brasil registra aumento de violações de direitos humanos

Comitê de Defensores de Direitos Humanos envia denúncia de aumento de violações à ONU e à OEA.

Por Helena Martins, da Agência Brasil

Até agosto de 2017, foram registradas 59 mortes de defensores de direitos humanos no Brasil. Ao longo de 2016, que já havia alcançado o maior número nos últimos 32 anos, foram mortas 66 pessoas que atuavam em defesa de direitos, segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT). Diante desse cenário, o Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos (CBDDDH) enviou informe à Organizações das Nações Unidas (ONU) e à Organização dos Estados Americanos (OEA) detalhando a violência sofrida por essas pessoas. No documento, o comitê pede que os organismos internacionais solicitem informações ao Estado brasileiro sobre a proteção dos defensores de direitos humanos no país.

O pedido de auxílio foi anunciado hoje (13) durante o encontro Fronteiras de Luta – Seminário Nacional sobre Proteção a Defensoras e Defensores de Direitos Humanos, realizado pelo CBDDDH, em Brasília.

Integrante da Terra de Direitos, uma das oito organizações que integram a coordenação do comitê, a advogada Layza Queiroz afirma que o pedido derivou da ausência de respostas do Estado em relação às violações. No caso da OEA, a provocação baseou-se na Convenção Interamericana de Direitos Humanos, que estabelece que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos pode formular recomendações aos governos dos Estados-membros, a fim de estimular a adoção de medidas protetivas de direitos. Já a ONU acompanha periodicamente a situação dos direitos humanos nos países membros.

“Nós trazemos informações gerais sobre os assassinatos que aconteceram em 2016 e os dados preliminares sobre a situação em 2017, com destaque especial para a situação da Amazônia legal, que é onde está concentrado o maior número de mortes neste ano”, detalha Layza sobre o documento.

Neste ano, 78% dos assassinatos ocorreram na Amazônia. O informe destaca casos considerados emblemáticos: as chacinas de Pau D’Arco, no Pará, em maio, quando morreram dez trabalhadores rurais, e de Colniza, em Mato Grosso, onde nove posseiros e agricultores foram executados, em abril; o ataque contra indígenas da etnia Gamela, também em abril, no Maranhão, que resultou em 22 feridos; e a situação do estado de Rondônia, que, embora não tenha registrado ataques desse tipo neste ano, foi o que acumulou maior número de defensores mortos em 2015 e 2016.

A maior parte dos assassinatos está ligada a conflitos agrários e envolvem milícias privadas, latifundiários e o agronegócio, segundo Layza.

No documento remetido à ONU, o comitê solicita a realização de visita oficial da Relatoria Especial sobre a situação dos defensores dos direitos humanos ao Brasil, especialmente ao Pará, dada a expectativa de continuidade das investigações da chacina de Pau D’arco e as tensões que permanecem no local.

Acusados de envolvimento na chacina, 13 policiais tiveram prisão temporária decretada, mas foram soltos recentemente. Agora, na região, há acampamentos, agricultores e advogados em situação de ameaça, em um cenário de muitos conflitos e tensões, de acordo com relato da representante da CPT no Pará, Andreia Silverio.

Ela manifestou preocupação com os sobreviventes da chacina, hoje incluídos no Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (Provita), e destacou que as organizações que acompanham o caso “cobram que sejam identificados os mandantes dos massacres, para além dos policiais que efetivaram a execução e que chegaram a ser presos”.

No encontro em Brasília, integrantes de movimentos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e ransgêneros), de mulheres e de trabalhadores sem terra, quilombolas, indígenas, ambientalistas, moradores de favelas do Rio de Janeiro, advogados populares e representantes de outras organizações da sociedade civil relataram diversos casos de violência.

Na opinião deles, a crise política e econômica, o crescimento do poder de setores políticos conservadores e, especificamente, os cortes em políticas de proteção de defensores tornam a situação mais dramática.

Integrante da organização Justiça Global Antônio Neto avaliou que o cenário dos últimos três anos tem exigido que o Comitê Brasileiro de Defensores, fundado em 2004 com o intuito de efetivar o acompanhamento de políticas públicas, “atue cada vez mais na construção de articulação, no monitoramento de casos de ameaças e na denúncia de violências”.

O seminário Fronteiras de Luta, que está em sua terceira edição, seguirá até a próxima sexta-feira (15).

Ainda nesta quarta-feira, haverá painel de discussões sobre a conjuntura nacional e internacional dos direitos humanos, com a presença do presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), Darci Frigo, de organizações da sociedade civil e do professor da Universidade de Brasília (UnB) José Geraldo de Sousa.

Amanhã e depois, as dezenas de participantes se concentrarão no desenvolvimento de estratégias conjuntas de ação para garantir a proteção dos defensores e a garantia dos direitos humanos no país.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing