DOE AGORA

Vlado Herzog, Derrubando o AI5

Vlado Herzog, Derrubando o AI5

Já se escreveu, muitas vezes, e se repete com insistência justificada, que a liberdade das comunicações é a mais essencial garantia de todas as liberdades. Só a pessoa humana recebeu o dom da palavra para assegurar a expressão da afetividade, das idéias e de toda a personalidade.

Disso tivemos a prova, quando foi preso, torturado e morto o jornalista tão estimado Vlado Herzog.

No final da cerimônia ecumênica celebrada na Catedral de São Paulo, o saudoso herói nacional, Dom Hélder Câmara me sussurrou aos ouvidos: “Senhor Cardeal, é hoje que começa a derrocada da ditadura militar.”

E assim foi.

Para confirmar o fato, logo após a cerimônia comovente e tão concorrida, mais de mil jornalistas se comprometeram a revelar todos os desmandos das autoridades militares contra os Direitos Humanos. O povo que lotava, além da Catedral, todos os espaços da Praça da Sé, se dispunha a reconquistar os direitos da cidadania.

Foi esse o maior consolo que pude transmitir à Clarice – esposa de Vlado – desolada e aos filhos que levei em meu carro à residência deles, ao final dos cumprimentos.

O mérito de esvaziar o AI-5 compete, em primeiro lugar a Vlado e sua família. Depois, aos comunicadores de São Paulo e do Brasil. Enfim, aos que souberam perseverar na luta pela solidariedade até ao fim.

A morte, por tortura, do operário Manuel Fiel Filho desencadeou, pouco depois, a crise militar e a deposição do General Ednardo, Comandante do II Exército.

Mesmo com a chegada de seu substituto, General Dilermando, não pude aceitar o convite especial para participar das evocações de 31 de março, porque dias antes haviam explodido o “aparelho” da Lapa da forma costumeira. Trégua não é sinônimo de paz.

A invasão bárbara da PUC de São Paulo, comandada pelo Coronel Erasmo Dias e o duplo incêndio do TUCA, célebre sala de apresentações artísticas, prepararam a greve, chamada “do ABC”, destinada à reposição dos salários. A população não só forneceu alimentos, mas acorreu à Catedral para rezar em favor dos treze líderes operários, presos junto com dois presidentes da Comissão Justiça e Paz e diversos jornalistas.

A cerimônia ecumênica por Vlado Herzog transformou-se em incentivo de uma população, cansada, senão saturada pela ditadura militar. O heroísmo do operário Santo Dias da Silva, quatro anos depois, pôde levar ao Brasil inteiro as imagens da união dos paulistanos – estudantes, trabalhadores, intelectuais – dedicados à causa da paz e da liberdade, sem violência e sem covardia.

A juventude brasileira há de inspirar-se, assim espero, em Vlado Herzog, para criar o Brasil novo, justo e fraterno, pelo qual ele trabalhou e morreu.

São Paulo, 13 de outubro de 2000

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing