01/11/2021

Instituto Vladimir Herzog repudia violência contra jornalistas em viagem de Bolsonaro a Roma

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

O Instituto Vladimir Herzog vem a público para repudiar as agressões sofridas por jornalistas brasileiros durante a viagem de Jair Bolsonaro a Roma no último domingo, 31 de outubro.

Jamil Chade, do UOL; Ana Estela de Sousa Pinto, da Folha de S. Paulo; Leonardo Monteiro, da Globo; Matheus Magenta, da BBC Brasil, e as equipes de reportagem que os acompanhavam foram agredidos física e verbalmente por agentes de segurança brasileiros e italianos que deram socos, empurrões e chegaram a arrancar o celular de um dos repórteres durante um passeio do presidente pela capital italiana.

Não há dúvidas de que a atitude covarde e beligerante dos seguranças contra os jornalistas é consequência direta da postura do próprio presidente que, de forma sistemática e permanente, estimula com atos e palavras a intolerância diante da atividade jornalística.

Não podemos tratar mais este episódio de violência contra jornalistas de forma isolada. Sob o atual governo, o Brasil se tornou um lugar hostil para o exercício da atividade jornalística. Questionar a imprensa ou discordar dela são atitudes legítimas; tentar silenciá-la com ataques e tentativas de intimidação é mais uma evidente e grave violação à Constituição e ao Estado democrático de Direito, que infelizmente se tornaram comuns no Brasil.

O Instituto Vladimir Herzog presta solidariedade a todas e todos os profissionais covardemente agredidos em Roma e reafirma o compromisso em promover articulações, desenvolver novas iniciativas e acionar todas as vias legais para responder aos complexos e perigosos desafios que atravessamos. Somente assim é que seremos capazes de interromper a escalada de violações à liberdade de expressão e de ataques a jornalistas e comunicadores em todo o país.

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Skip to content