DOE AGORA

Repórteres sem Fronteiras atentam para desaparecimento de jornalistas

Repórteres sem Fronteiras atentam para desaparecimento de jornalistas

No 30 de agosto, determinado pela ONU como o Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados, RSF alerta para os altos índices deste crime contra a humanidade.

Pessoas protestam em Bogotá por desaparecimento de jornalistas.

No dia 30 de agosto é celebrado o Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados, a data ajuda a lembrar dos jornalistas que sumiram sem deixar rastros em meio à produção de matérias e reportagens, que envolvem governos e poderes estabelecidos. A prática, segundo denúncia dos Repórteres Sem Fronteiras (RSF), se constitui na detenção, sequestro, privação de liberdade e seguinte dissimulação do destino da pessoa. Desde 2002, a ação é considerada crime contra a humanidade.

“Em vez de diminuir, essa prática bárbara se diversifica e se expande ao redor do mundo para fazer a cada ano um pouco mais de vítimas entre jornalistas e blogueiros”, denuncia Christophe Deloire, secretário geral da RSF.
Números que preocupam
A América do Sul é uma referência negativa no quesito desaparecidos desde a época das ditaduras. São mais de 110 jornalistas desaparecidos no período das décadas de 1970 e 1980. Nos últimos anos, o fenômeno que ainda conserva altos índices de violência contra repórteres, se atenuou. Os números, no entanto, não condizem com a situação vivida no México, onde pelo menos 23 profissionais sumiram desde o ano 2000, dez deles, somente em 2017.
Em territórios como Argélia, Países do Golfo, Eritreia, Paquistão, Bangladesh, Irã, Turcomenistão, Tchetchênia e leste da Ucrânia o desaparecimento tornou-se a arma preferida dos regimes autoritários para eliminar os oponentes sem precisar prestar contas, é o que afirma a RSF.
Na Síria, as execuções extrajudiciais já eram uma prática comum do regime de Bachar al-Assad. Porém, desde 2011, os desaparecimentos assumiram um caráter industrial com, pelo menos, 65 mil vítimas, entre as quais um grande número de jornalistas e blogueiros, segundo estimativas da Rede Síria pelos Direitos Humanos. Diante disso, o Conselho de Segurança das Nações Unidas precisou adotar, em fevereiro de 2014, uma resolução condenando esses abusos.
Na China, segundo denuncia a RSF, existe o hábito de oferecer férias forçadas a certos profissionais no balneário de Hainan. A prática, no entanto, só se aplica aos jornalistas com certa notoriedade. Para os menos badalados, o destino é quase sempre confidencial e são acompanhados de atos de tortura e de privação de cuidados que, com frequência, deixam as vítimas irreconhecíveis. Em 2016, o casal de jornalistas Lu Yuyu e Li Tingyuy, vencedores do prêmio RSF, que dedicavam seu trabalho aos movimentos sociais chineses, foi sequestrado e mantido em detenção secreta por várias semanas antes de serem oficialmente presos.
Retaliação prévia
Diante da crescente onda de desaparecimentos registrados em diversos países, a RSF alerta para um fenômeno preocupante. A censura e retaliação prévias. Em alguns casos, jornalistas e blogueiros são atacados antes mesmo da publicação de suas reportagens, o objetivo é impedi-los de divulgar informações embaraçosas para o poder.
A RSF tomou providências para que esses desaparecimentos não caiam em esquecimento. Entre os atos da entidade estão petições, comunicados, recursos em corte e até apelos ao parlamento europeu. Em 2015, a RSF entrou com um pedido formal, relacionado a casos de desaparecimento de jornalistas em dez países, junto ao “Grupo de trabalho sobre os desaparecimentos forçados da ONU”.
A entidade faz um apelo para que os países ratifiquem a “Convenção Internacional para a Proteção de Todas as Pessoas contra os Desaparecimentos Forçados”, adotada há dez anos pela Assembleia Geral da ONU. Até o momento, ela só foi assinada pela metade dos estados membros e ratificada por apenas 57 deles.
Entre os grandes ausentes estão quatro dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança: China, Estados Unidos, Reino Unido e Rússia. Países com tradição em sequestros extrajudiciais direcionados e que ainda hesitam em privar os seus serviços secretos de uma ferramenta tão cômoda.
You, my friend, are a big organism get amoxicillin online no prescription as an adult human, you have three to four pounds of beneficial bacteria and yeast living within your intestines where to buy amoxil. You, my friend, are a big organism buy ampicillin no prescription some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (nsaids) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy antibiotics without prescription back in the 1950s, two researchers in albany, new york, worked to develop an antimicrobial drug from a substance produced by a soil-based fungus. You, my friend, are a big organism order azithromycin online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans buy baclofen no prescription. You, my friend, are a big organism buy ciprofloxacin no prescription however, every time you swallow antibiotics, you kill the beneficial bacteria within your intestines purchase neurontin online so, it should come as no surprise that weight gain counts as one of the telltale signs of antibiotic damage and subsequent yeast overgrowth.