DOE AGORA

Praça Memorial Vladimir Herzog recebe nova obra de Elifas Andreato em comemoração ao Dia do Jornalista

Praça Memorial Vladimir Herzog recebe nova obra de Elifas Andreato em comemoração ao Dia do Jornalista

Rebatizada de Vladimir Herzog por iniciativa do legislativo local, Praça conquistou apoio da sociedade civil e de vereadores de diversas legendas como José Américo (PT), Police Neto (PSD), Ítalo Cardoso (PT), Gilberto Natalini (PV), Floriano Pesaro (PSDB), Eliseu Gabriel (PSB) e Soninha Francine (PPS). Na foto também estão o ex deputado estadual Adriano Diogo (PT) que presidiu a Comissão Estadual da Verdade Rubens Paiva, os jornalistas Audálio Dantas e Sergio Gomes e o performer Paulinho Fluxus. Foto: Luis França / CMSP

Versão em ponto grande do troféu do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos será inaugurada neste sábado, 6 de abril, em comemoração ao Dia do Jornalista.

No próximo sábado, 6 de abril, a Praça Memorial Vladimir Herzog recebe nova obra de Elifas Andreato: a réplica em alumínio do troféu “Prêmio Vladimir Herzog” – peça criada pelo artista em 1978 e que, desde então, é entregue anualmente aos jornalistas, repórteres fotográficos e artistas do traço vencedores do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. O troféu significa o reconhecimento da sociedade brasileira aos profissionais da imprensa que, por meio de seu trabalho cotidiano, colaboram com a promoção da Democracia, da Liberdade e dos Direitos Humanos.

A peça foi produzida com recursos de emenda parlamentar ao orçamento da Prefeitura apresentada pela vereadora Soninha Francine e será instalada na Praça no próximo sábado, 6 de abril, como forma de marcar o Dia do Jornalista, comemorado no Brasil no 7 de abril.

De acordo com o projeto original, homologado pela Mesa Diretora da CMSP em 16 de outubro de 2012, a Praça ainda receberá uma placa com os nomes dos 1004 jornalistas signatários do Manifesto “Em Nome da Verdade”, publicado em janeiro de 1976 como forma de denunciar as prisões de colegas da imprensa e o assassinato de Vlado. Abrigará ainda placas com registros de todos os jornalistas premiados com o troféu Herzog desde a sua primeira edição, em 1979.

O jornalista Sergio Gomes, diretor da OBORÉ, participou ativamente das articulações para a mudança do nome da praça e para a implementação de todos os itens que constam do projeto original. “O Vlado queria um país justo e democrático. Nós também. Agora, precisamos cuidar com muito carinho desse espaço que conquistamos pois ele guarda nossas melhores lutas e nossos melhores sonhos”, afirmou.

Para o artista plástico Elifas Andreato, a inauguração da peça no próximo sábado é um ato de resistência. “É um evento que tem em si um propósito que interessa a todos os brasileiros e, sobretudo, aos jornalistas deste país. Estamos vivendo um tempo em que o presidente da república chama a população a comemorar a ditadura militar que matou o Vladimir Herzog. É hora de dizer não! Não se comemora o golpe, a tortura, o assassinato”, ressalta.


Assista entrevista de Elifas Andreato concedida no último dia 27 de março, no escritório da OBORÉ, após reunião das entidades organizadoras do evento na Praça.

Sobre a Praça Memorial Vladimir Herzog
Idealizada pelo ex-vereador e ex-presidente da Comissão Municipal da Verdade, Ítalo Cardoso, a Praça Memorial Vladimir Herzog foi inaugurada em 25 de outubro de 2013, 38 anos após o assassinato de Vlado pelas forças do Estado. Ao longo dos anos, a proposta foi abraçada pelos sucessivos presidentes da Casa – vereadores José Police Neto, José Américo, Antônio Donato e Milton Leite, e contou com igual apoio dos vereadores Gilberto Natalini, Eliseu Gabriel, Juliana Cardoso e Soninha Francine.

Rebatizada de Vladimir Herzog por iniciativa do legislativo local, Praça conquistou apoio da sociedade civil e de vereadores de diversas legendas como José Américo (PT), Police Neto (PSD), Ítalo Cardoso (PT), Gilberto Natalini (PV), Floriano Pesaro (PSDB), Eliseu Gabriel (PSB) e Soninha Francine (PPS). Na foto também estão o ex deputado estadual Adriano Diogo (PT) que presidiu a Comissão Estadual da Verdade Rubens Paiva, os jornalistas Audálio Dantas e Sergio Gomes e o performer Paulinho Fluxus (Foto: Luis França / CMSP).

A realização do projeto da Praça é também fruto do esforço coletivo de entidades dentre as quais Instituto Vladimir Herzog, OBORÉ Projetos Especiais, Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, além das instituições que integram a Comissão do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos: Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo; Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo; Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; Ordem dos Advogados do Brasil – Secção São Paulo; Federação Nacional dos Jornalistas; Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo; Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo; Conectas Direitos Humanos, Coletivo Periferia em Movimento, Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil; Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – Intercom e Instituto Vladimir Herzog.

O espaço já conta com duas outras obras de Elifas Andreato. Uma delas é o mosaico criado pelas crianças do Projeto Âncora, que reproduz a obra “25 de outubro” do autor – referência ao quadro “Guernica” de Pablo Picasso e ilustra a cadeira do dragão, método de tortura aplicado pela ditadura militar no Brasil.

Mosaico mede 6 metros e foi confeccionado por alunos e alunas do Projeto Âncora, de Cotia (SP) (Foto: Luis França/CMSP).

A outra peça é uma versão ampliada da estátua “Vlado Vitorioso”, conceito criado pelo artista em 2008, a pedido das Nações Unidas e dedicada aos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Registro dos preparativos da inauguração da estátua em bronze, de 2m20. Ivo Herzog, atual presidente do Conselho do Instituto Vladimir Herzog (Foto: Ricardo Alves).

SAIBA MAIS

Dia do Jornalista
No dia 7 de abril é comemorado no Brasil o Dia do Jornalista. A data foi estabelecida em 1931 pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI) para homenagear o jornalista, político e médico italiano radicado no Brasil Giovanni Batista Líbero Badaró que, assassinado em São Paulo por forças imperiais em 1830, converteu-se em símbolo da luta contra a monarquia. A morte de Libero Badaró desestabilizou o regime e foi uma das forças que levaram D. Pedro I a abdicar do trono em favor de seu filho Pedro II e regressar a Portugal em 7 de abril de 1831.

Praça Memorial Vladimir Herzog
As discussões para mudar o nome da praça iniciaram-se em 2012, durante os trabalhos da Comissão da Verdade Vladimir Herzog, sob a presidência do então vereador Ítalo Cardoso. Após procurar a família do jornalista e apresentar a proposta aos outros parlamentares, surgiu o Projeto de Lei 217/2012. Em 2013, a Praça Divina Providência (Rua Santo Antonio com Praça da Bandeira), atrás do Palácio Anchieta, foi rebatizada de “Vladimir Herzog” por iniciativa de Cardoso e do vereador Police Neto, à época presidente da Casa. Desde então, o local passou a ser devidamente preparado para acolher três peças de Elifas Andreato:

– O mosaico que reproduz a tela “25 de outubro”, pintada originalmente por Elifas em 1979 e que desde 1981 encontra-se na sede do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo. Conta o artista que o quadro é um repúdio à farsa divulgada pela ditadura sobre a tese de suicídio de Vlado e ficou conhecida como a Guernica Brasileira, em referência ao centenário do pintor Pablo Picasso. O mosaico foi montado por alunos e alunas do Projeto Âncora, mede seis metros e foi instalado na parede principal da Praça em 2013, na gestão do vereador José Américo.

– A escultura “Vlado Vitorioso”, criada por Andreato para a ONU, em 2008, em comemoração aos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A réplica em bronze mede 2,20 de altura e foi inaugurada em 2015, na gestão do vereador Antonio Donato, como forma de marcar os 40 anos do assassinato de Vlado.

– A réplica do “Troféu Vladimir Herzog” entregue anualmente aos vencedores do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos como reconhecimento aos profissionais da imprensa que, por meio de seu trabalho cotidiano, colaboram com a promoção da Democracia, da Liberdade e dos Direitos Humanos.  A peça foi produzida com recursos de emenda parlamentar da vereadora Soninha Francine e será instalada na Praça no próximo sábado, 6 de abril, como forma de comemorar o Dia do Jornalista.

SERVIÇO

Inauguração da réplica do “Troféu Vladimir Herzog”
Praça Memorial Vladimir Herzog
Rua Santo Antonio x Praça da Bandeira, ao lado da Câmara Municipal
Sábado, 6 de abril, das 10h às 13h