DOE AGORA

Justiça para o fotógrafo Sérgio Silva: a vítima de um tiro não pode ser a culpada

Justiça para o fotógrafo Sérgio Silva: a vítima de um tiro não pode ser a culpada

Nesta quarta, 29, a 9ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) terá a oportunidade de reparar a grave injustiça que marca um dos episódios mais emblemáticos de violência contra comunicadores no país.

É nesse dia que os desembargadores Rebouças de Carvalho, Décio Notarangeli e Oswaldo Luiz Palu apreciarão recurso movido pelo fotógrafo Sérgio Silva, que contesta decisão de primeira instância em um processo judicial aberto por ele, no qual demanda que o Governo do Estado de São Paulo seja responsabilizado pela perda de parte de sua visão.

Tudo começou no dia 13 de junho de 2013, quando Sérgio perdeu o olho esquerdo ao ser alvejado no rosto por uma bala de borracha disparada pela Polícia Militar de São Paulo (PM-SP) enquanto fazia a cobertura da intensa repressão policial a manifestação contra o aumento da tarifa do transporte público na capital paulista.

No mesmo ano, o fotógrafo acionou a Justiça requerendo que o governo estadual lhe pagasse indenização por danos morais, materiais e estéticos, além de conceder pensão mensal vitalícia, sob a justificativa de que o exercício de sua profissão estaria prejudicado para sempre em razão do ocorrido.

Três anos mais tarde, em agosto de 2016, veio a primeira decisão. Para espanto de quem acompanhava o caso, o juiz Olavo Zampol Júnior, da 10ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, decidiu negar o pedido de Sérgio alegando nos autos que a responsabilidade pelo grave ferimento era da própria vítima e não da PM-SP.

Para tentar compreender essa contestável decisão, é preciso considerar a conjuntura na qual ela ocorreu. Logo após junho de 2013, o Brasil assistiu ao recrudescimento da criminalização do direito de protesto, em um processo que se caracterizou não só pelo uso indiscriminado de armamento menos letal contra manifestantes e comunicadores, mas também por violações em outros âmbitos. No Legislativo, dezenas de projetos de lei foram apresentados visando a criar embaraços à realização de manifestações, enquanto ao Sistema de Justiça coube o papel de criminalizar manifestantes e legitimar as arbitrariedades cometidas pela polícia por meio de uma série de decisões judiciais controversas.

Duas delas afetaram o fotógrafo Alex Silveira e a estudante Isadora Ribeiro. O primeiro perdeu na Justiça o direito à indenização que havia conquistado após também ser vítima de um disparo de bala de borracha que tirou parte de sua visão enquanto cobria um protesto em São Paulo. Já a segunda foi alvejada na cabeça pela polícia durante a cobertura de um protesto em Brasília, e, posteriormente, teve um pedido de indenização igualmente negado.

Nos dois casos, a justificativa dada foi a mesma: a de que os comunicadores tinham responsabilidade pelo ferimento. Tais decisões permitem a interpretação temerária de que o Judiciário brasileiro aceita como esperado o modus operandi violento da polícia em manifestações, além da existência de uma “zona de guerra”, na qual há uma “linha de tiro” entre policiais e manifestantes.

Por tudo isso, é fundamental que os desembargadores responsáveis pelo julgamento do próximo dia 29 revertam a primeira decisão e concedam as indenizações pedidas por Sérgio Silva, sob pena de contribuir para a perpetuação da conduta violenta da polícia em protestos de rua, que coíbe a presença de manifestantes e estimula a autocensura de comunicadores. Tal fato não apenas traria reparações a alguém que há mais de quatro anos busca por justiça, como também protegeria o direito de toda a sociedade à liberdade de expressão e acesso à informação.

Assinam esta carta:
ARTIGO19
Instituto Vladimir Herzog
Associação Profissão Jornalista
OBORÉ Projetos Especiais
Repórteres sem Fronteiras
Martim Sampaio (Coordenador da Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP)

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing