DOE AGORA

Instituto Vladimir Herzog promove debate sobre a questão indígena no Brasil

Instituto Vladimir Herzog promove debate sobre a questão indígena no Brasil

Instituto Vladimir Herzog promove um debate sobre a história da luta dos povos indígenas no Brasil.

No próximo dia 10 de novembro, sexta-feira, o Instituto Vladimir Herzog promove um debate sobre a história da luta dos povos indígenas no Brasil. O evento contará com as presenças de Marlon Weichert, procurador do Ministério Público Federal, Marta Azevedo, ex-presidente da Funai, e Manoel da Silva Vera, coordenador regional da Comissão Guarani Yvurupá, além de Rogério Sottili, diretor-executivo do Instituto Vladimir Herzog e ex-Ministro de Direitos Humanos do Governo Federal.

O evento acontece na Caixa Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111), com patrocínio da Caixa e do Governo Federal. A recepção começa às 9h30 e, a partir das 10h, tem início o debate. A entrada é gratuita e os ingressos devem ser retirados no dia da palestra.

O evento “Identidades e resistências: a luta dos povos indígenas – Série Diálogos Memórias da Ditadura” marca também a inclusão no acervo do portal Memórias da Ditadura de novas seções sobre as lutas e resistências dos camponeses e indígenas durante a ditadura e pós-ditadura.

O portal Memórias da Ditadura é uma realização do Instituto Vladimir Herzog que tem o objetivo de divulgar a História do Brasil no período de 1964 à 1985 junto ao grande público, em especial aos jovens, que não vivenciaram essa época.

Com mais de 700 mil visualizações durante o ano passado, trata-se do maior repositório da internet de conteúdos sobre o regime militar no Brasil. Com o intuito de divulgar de forma acessível as recomendações feitas pela Comissão Nacional da Verdade, o portal passou a acolher o projeto CNViva, que oferece aspectos e atualizações das pesquisas, descobertas, conclusões e recomendações apresentadas no relatório final da CNV, publicado em 2014.

Breve histórico
De um lado, obras de “desbravamento” de regiões brasileiras, como a rodovia Transamazônica, loteamentos, invasão de territórios e estratégias desastradas de contato feitas com poucos recursos. Do outro, tribos indígenas que viam suas terras sendo tomadas, sofriam com doenças trazidas pelos “civilizados” e eram transferidas para locais que não ofereciam sustento. O resultado: enfrentamentos, resistências e milhares de mortes.

Após o golpe de 1964, um novo período econômico se intensificou com construções de grandes obras que se espalharam por todas as regiões do país, e no caminho desses projetos inúmeros povos com suas terras, reconhecidas ou não, passaram a ser tratados como obstáculos para o “desenvolvimento”.

Essa expansão implementada pelo regime militar significou perseguição, criminalização, prisão, tortura e assassinato de indígenas que lutavam por seus territórios ou que tivessem comportamentos considerados inadequados frente à política de desenvolvimento do governo.

Como resposta a tudo isso, as lideranças de diferentes povos passaram a se organizar. Essa luta rendeu vitórias importantes, como a inclusão do artigo 231 da Constituição Federal, que ordena a demarcação dos territórios indígenas, institui educação e saúde diferenciadas, voltadas para a cultura e para as necessidades reais das populações indígenas. Isso resultou, por exemplo, na criação de materiais didáticos específicos, merendas e calendários escolares diferenciados.

Entretanto, há muito a ser feito. A violência contra os povos indígenas é ininterrupta – um genocídio de séculos que os colonizadores perpetraram e que o Estado segue levando a cabo -, e hoje se descortina com um novo ciclo de ataques. O evento “Identidades e resistências: a luta dos povos indígenas – Série Diálogos Memórias da Ditadura” pretende não apenas resgatar a história de luta desses povos durante a ditadura, mas, também, trazer essa discussão para os dias atuais, em que o Estado brasileiro continua a colocar sua ação indigenista subordinada aos interesses do capital.

Convidados
Marlon Weichert possui graduação em Direito pela Universidade Federal Fluminense e mestrado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Foi pesquisador visitante da New York University School of Law, com suporte do Hauser Global Program. Atualmente, é procurador regional da república do Ministério Público Federal, atuando principalmente com direitos humanos, com ênfase nos temas de justiça transicional (direito à verdade, à responsabilização e à memória em relação a crimes contra a humanidade) e segurança pública.

Marta Azevedo é demógrafa e antropóloga, pesquisadora e professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É membro do Conselho Consultivo do UNFPA (Fundo de População da ONU no Brasil) e coordenadora do GT Demografia dos Povos Indígenas da ABEP (Associação Brasileira de Estudos Populacionais). Foi presidente da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e consultora dos Ministérios da Educação e Saúde no que diz respeito à elaboração e monitoramento das políticas públicas para povos indígenas.

Manoel da Silva Werá é coordenador regional da Comissão Guarani Yvyrupá – importante protagonista político do movimento indígena nacional. É também professor de português e da língua guarani. Foi um dos fundadores da aldeia Krukutu, localizada entre os municípios de São Bernardo do Campo e Parelheiros e que, atualmente, conta com mais de 40 famílias vivendo no local.

SERVIÇO

Identidades e resistências: a luta dos povos indígenas – Série Diálogos Memórias da Ditadura
Data: 10 de novembro
Horário: A partir das 9h30
Local: CAIXA Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111)
Produção: Instituto Vladimir Herzog
Patrocínio: CAIXA e Governo Federal

Mais informações à imprensa:
CDI Comunicação e Marketing
Cinthia Jardim | 3817-7922

Mais informações:
Instituto Vladimir Herzog
[email protected] | 2894-6650

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing