DOE AGORA

Instituto Vladimir Herzog convida estudantes de jornalismo para produzirem podcasts sobre o trabalho infantil na indústria da moda

Instituto Vladimir Herzog convida estudantes de jornalismo para produzirem podcasts sobre o trabalho infantil na indústria da moda

Até o dia 8 de setembro, estudantes de jornalismo da cidade de São Paulo podem inscrever pautas jornalísticas sobre o tema; os selecionados irão produzir podcasts especiais com a ajuda de jornalistas profissionais da imprensa brasileira.

O Instituto Vladimir Herzog abre este chamamento público para convidar estudantes de graduação em Jornalismo regularmente matriculados em Instituições de Ensino Superior  localizadas na cidade de São Paulo a elaborarem pautas sobre o tema: “O trabalho infantil na indústria da moda”.

As propostas devem, obrigatoriamente, visar o desenvolvimento de uma reportagem jornalística no formato podcast. Serão selecionadas as duas melhores propostas que sejam inscritas por estudantes individualmente ou em duplas, do mesmo semestre ou semestres distintos, sejam da mesma ou de diferentes escolas. O que se estimula aqui são formas de arranjos em equipes variadas desde que provenientes do curso de Jornalismo.

As equipes selecionadas terão auxílio financeiro de R$500,00 para a realização do podcast e serão acompanhadas por jornalistas profissionais nas fases de pesquisa, produção, reportagem, redação, edição, montagem e finalização/fechamento das peças.

As inscrições são exclusivamente por meio do formulário disponível aqui: https://forms.gle/kmB7mU7J4KZzuHTP8 e também no site www.jovemjornalista.org.br até o próximo dia 8 de setembro de 2019, às 23h59.

Este Edital integra a 11ª edição do Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão e as duas propostas aqui selecionadas referem-se à categoria “Trabalho infantil na indústria da moda” patrocinada pelo Fundo Brasil de Direitos Humanos.  

O 11º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão é uma realização do Instituto Vladimir Herzog. Apoio: Periferia em Movimento, Organização Internacional para as Migrações (OIM) da Organização das Nações Unidas (ONU) e Comité Catholique contre la Faim et pour le Développement (CCFD – Terre Solidaire). Aliança estratégica: Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom) e Oboré. Patrocínio: Petrobrás, Governo Federal, Fundo Brasil de Direitos Humanos e Google.

SOBRE O TEMA
O Brasil é um dos maiores produtores têxteis e de confecção do mundo. Com uma estrutura altamente fragmentada entre fábricas e oficinas de costura, 98% do setor de confecção de vestuário no Brasil é composto por pequenas e microempresas, segundo o Sebrae. Em sua maioria, são oficinas de costura que possuem baixa densidade tecnológica e mão de obra pouco qualificada e muitas vezes informais, onde estão situadas a maior parte das violações de direitos que motivam este edital.

De acordo com dados da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), cerca de 75% das vagas na indústria da moda brasileira são ocupadas por mulheres. Por conta da desigualdade de gênero, essas trabalhadoras se encontram mais vulneráveis à precarização do trabalho, à informalidade e à exploração. Esse cenário tem impacto direto no aumento da utilização de mão de obra infantil, uma vez que, na indústria da moda, a terceirização de fases distintas da produção para o ambiente doméstico acaba por favorecer a utilização da mão de obra infantil. Nesse contexto, a situação é agravada pelo fato de que muitas das funções desenvolvidas pelas crianças, apesar de invisíveis, uma vez que se dão no ambiente doméstico, são classificadas como “piores formas de trabalho infantil”, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Os dados acima revelam que, ao contrário do que se imagina, o trabalho infantil não apenas segue existindo na atualidade, como também as suas novas características fazem com que a solução para esta violação seja algo ainda mais desafiador para a sociedade.

REGULAMENTO

1. Sobre este Edital

1.1 Destinado a alunos de graduação regularmente matriculados em cursos de Jornalismo oferecidos na cidade de São Paulo oferecido por instituições credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC), este chamamento público, que integra e complementa a 11ª edição do Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão, tem como tema: “O trabalho infantil na indústria da moda”.

O Brasil é um dos maiores produtores têxteis e de confecção do mundo. Com uma estrutura altamente fragmentada entre fábricas e oficinas de costura, 98% do setor de confecção de vestuário no Brasil é composto por pequenas e microempresas, segundo o Sebrae. Em sua maioria, são oficinas de costura que possuem baixa densidade tecnológica e mão de obra pouco qualificada e muitas vezes informais, onde estão situadas a maior parte das violações de direitos que motivam este edital.

De acordo com dados da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), cerca de 75% das vagas na indústria da moda brasileira são ocupadas por mulheres. Por conta da desigualdade de gênero, essas trabalhadoras se encontram mais vulneráveis à precarização do trabalho, à informalidade e à exploração. Esse cenário tem impacto direto no aumento da utilização de mão de obra infantil, uma vez que, na indústria da moda, a terceirização de fases distintas da produção para o ambiente doméstico acaba por favorecer a utilização da mão de obra infantil. Nesse contexto, a situação é agravada pelo fato de que muitas das funções desenvolvidas pelas crianças, apesar de invisíveis, uma vez que se dão no ambiente doméstico, são classificadas como “piores formas de trabalho infantil”, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Os dados acima revelam que, ao contrário do que se imagina, o trabalho infantil não apenas segue existindo na atualidade, como também as suas novas características fazem com que a solução para esta violação seja algo ainda mais desafiador para a sociedade.

2. Disposições gerais

2.1 É permitida a inscrição individual ou em duplas de estudantes.

2.2 Os membros de um grupo poderão ser alunos de semestres diferentes do curso de Jornalismo de uma mesma instituição de ensino superior ou de instituições diferentes.

2.3 Não é permitida a participação de alunos em mais de um grupo.

2.4 Somente será aceita uma proposta de pauta por grupo.

2.5 Não é necessário a indicação de um professor orientador neste edital.

2.6 Cada equipe com proposta de pauta selecionada contará com apoio financeiro no valor de R$500,00 (quinhentos reais) para a realização de uma reportagem a ser produzida em formato podcast, sob a orientação de uma equipe de professores e profissionais mentores, indicada pelo Instituto Vladimir Herzog nas fases de pesquisa, produção, reportagem, redação, edição, montagem e finalização/fechamento das peças.

3. Inscrições

3.1 As inscrições estarão abertas de 30 de agosto a 8 de setembro de 2019, até às 23h59, no formulário disponível aqui: https://forms.gle/kmB7mU7J4KZzuHTP8 e também no site www.jovemjornalista.org.br.

3.2 Não será permitida a troca de participantes nos grupos depois de efetuada a inscrição.

3.3 No ato da inscrição, os grupos deverão apresentar uma proposta de pauta visando desenvolver o tema sugerido em um descritivo de, no máximo, 2500 caracteres com espaço.

3.4 Os grupos só deverão enviar suas propostas de pauta estruturadas conforme as indicações do formulário. Materiais como impressos, fotos, vídeos etc. não deverão ser enviados, exceto quando solicitados pela Comissão Organizadora.

4. Do processo de seleção

4.1 As propostas de pautas serão avaliadas por uma Comissão Julgadora formada por docentes, pesquisadores da área da Comunicação e do Jornalismo, profissionais da imprensa e pela equipe de coordenação do Prêmio Jovem Jornalista.

4.2 O processo seletivo será realizado em duas etapas consecutivas:

  • etapa 1: pré-seleção (verificação da compatibilidade dos trabalhos aos pressupostos estabelecidos neste Regulamento);
  • etapa 2: seleção (escolha de duas propostas de pauta a serem desenvolvidas com recursos do Prêmio).

4.3 Serão considerados os seguintes critérios no processo seletivo dos trabalhos:

  • criatividade na apresentação e desenvolvimento da proposta de pauta;
  • exequibilidade do projeto considerando a data limite de entrega da matéria;
  • relevância da proposta no contexto dos temas apresentados.

4.4 Em caso de plágio ou outra modalidade de fraude, o projeto de pauta será desclassificado.

4.5 As decisões da Comissão Julgadora não serão passíveis de recursos ou impugnações.

5. Premiação

5.1 Os vencedores da carta convite das menções honrosas do 11º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão serão anunciados no dia 10 de setembro de 2019 no site www.jovemjornalista.org.br.

5.2 A cerimônia de diplomação das equipes vencedoras será realizada no dia 24 de outubro de 2019, quinta-feira, no Tucarena – Rua Monte Alegre, 1024, Perdizes, São Paulo, durante a Roda de Conversa do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

6. Deadline para a entrega da reportagem

6.1 A reportagem final deverá ser enviada ao IVH por cada uma das equipes vencedoras até às 12h do dia 18 de outubro de 2019, acompanhada de um Resumo Executivo que descreva, detalhadamente, seu processo de produção.

6.2 A título de crédito editorial, todas as produções jornalísticas produzidas no âmbito deste Prêmio deverão conter os seguintes dizeres: “Este material foi produzido no âmbito do 11º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão promovido pelo Instituto Vladimir Herzog. São Paulo, Brasil, 2019″.

7. Considerações finais

7.1 É de inteira responsabilidade dos inscritos o ônus relativo aos direitos autorais de textos, imagens e outros conteúdos que porventura sejam agregados ao trabalho, sendo necessária, portanto, para a etapa seguinte à premiação, em casos de produção audiovisual e ou impressa com utilização de imagens, a expressa autorização dos entrevistados, sejam personagens, especialistas ou imagens de uso generalizado.

7.2 Ao se inscreverem, os participantes autorizam automaticamente a Comissão Organizadora do Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão a utilizar, editar, publicar e reproduzir, por meio de seu site e de jornais, revistas, televisão, rádio e internet, imagens, conteúdos e qualquer informação contida no trabalho, sem restrição de espécie alguma.

7.3 Os materiais solicitados aos grupos para composição dos projetos de pauta e das reportagens produzidas não serão devolvidos, cabendo à Comissão Organizadora a decisão acerca de seu arquivamento e utilização durante o período de 2 (dois) anos após a data da edição do Prêmio.

7.4 A participação nesta categoria do Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão está condicionada à aceitação irrestrita deste Edital.

7.5 A escolha dos alunos ou grupos de alunos premiados, dos selecionadores e dos jurados, assim como a decisão sobre casos omissos neste regulamento, serão de responsabilidade da Comissão Organizadora, observado o princípio do contraditório e ampla defesa.

7.6 As propostas de pauta e as reportagens devem observar critérios científicos e profissionais na sua execução e o Código de Ética do Jornalista (editado pela Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ) revelando competência técnica e nível de conhecimento compatível com as exigências acadêmicas, do mercado de trabalho, e de acordo com a responsabilidade social do futuro profissional.

7.7 Este Edital prevalecerá sobre qualquer informação divergente que seja divulgada em relação à competição.

7.8 Os participantes autorizam a cessão de seus dados cadastrais ao Instituto Vladimir Herzog.

7.9 O Instituto Vladimir Herzog e as equipes contempladas, desde já, autorizam as instituições de ensino superior participantes do Prêmio a divulgar e publicar sua imagem, desempenho, bem como os trabalhos apresentados pelos seus alunos neste certame.

7.10 Casos omissos neste Regulamento e que acarretem qualquer espécie de dúvida serão decididos pela Comissão Organizadora do Prêmio.

7.11 Fica eleito o foro da capital de São Paulo (SP) para dirimir quaisquer dúvidas sobre o presente Regulamento.