DOE AGORA

Equipe de jornalismo é agredida por policial durante cobertura de audiência em Urânia (SP)

Equipe de jornalismo é agredida por policial durante cobertura de audiência em Urânia (SP)

Policial pegou celular do repórter do SBT e jogou no chão. Comando disse que vai apurar conduta do policial.

Policial segura a câmera do repórter cinematográfico do SBT (Foto: Reprodução/TV TEM)

Com informações do G1

Uma equipe de reportagem do SBT Interior, que cobre a região noroeste paulista, foi agredida por um policial militar durante uma audiência na Justiça de um caso que levou políticos de Urânia (SP) à prisão.

A audiência era para testemunhas de acusação, inclusive policiais federais, contarem à Justiça sobre as investigações de desvios de verbas federais feitas pelo ex-prefeito de Urânia Francisco Airton Saracuza.

Saracuza e funcionários de confiança da prefeitura foram presos no início desse ano depois que os agentes descobriram a falta de dinheiro dos cofres da prefeitura.

Nesta terça-feira (1º), na primeira audiência do caso, um policial que fazia a escolta dos réus na chegada ao Fórum impediu que o repórter cinematográfico fizesse imagens, na rua, da chegada do carro da polícia. O PM ficou o tempo todo segurando o equipamento do cinegrafista.

Com o cinegrafista impedido pelo policial, o repórter, então, começou a filmar pelo celular. O PM pegou o celular dele e jogou no chão. O aparelho quebrou.

A Polícia Militar publicou uma nota dizendo que havia uma ordem verbal da Justiça para que a PM impedisse que a imprensa fizesse imagens no local e que a rua estava interditada.

A interdição foi feita por um único cavalete no meio da rua. O comando disse ainda que vai apurar a conduta do policial.

Repúdio à imprensa
O SBT Interior disse que repudia qualquer ato violento que interfira na liberdade de imprensa de qualquer veículo de comunicação.

Já a Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) emitiu nota considerando inaceitável que profissionais de comunicação sejam agredidos e intimidados por policiais militares durante cobertura jornalística e pede às autoridades uma rigorosa apuração dos fatos.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) publicou nota dizendo que lamenta o ocorrido, que condena a atitude do policial e que a violência contra jornalistas é também um atentado ao direito à informação.

Sentimento de impotência
“Estou indignado. Em dez anos de profissão nunca passei por isso. O sentimento é de impotência”. Assim o repórter Márcio Adalto desabafou nas redes sociais sobre o episódio em que teve o celular quebrado.

Adalto contou ao Portal G1, nesta quinta-feira, que ele e o cinegrafista Ever Centurion eram os únicos da imprensa no Fórum para fazer a cobertura da audiência e que em nenhum momento ninguém os alertou sobre a proibição de filmagens ou entrevistas: “Quando chegamos havia dois cavaletes que impediam o trânsito de veículos, mas nenhuma faixa que impedisse a passagem de pessoas ou aviso que não poderíamos estar ali. Além disso, antes do ocorrido, entrevistamos o advogado de defesa e fizemos imagens da fachada. Os policiais estavam lá, eu os cumprimentei, eles viram a gente gravando e não falaram nada”.

O repórter diz que não recebeu nenhuma notificação por escrito da Justiça nem da Polícia Militar. “Se tivesse alguma proibição formal eles teriam nos impedido antes, mas só quando chegou a viatura que carrega presos é que, do nada, veio o sargento dizendo que não podia fazer imagens”, lembra.

Ele diz que o policial segurou a câmera do cinegrafista e sua reação foi filmar com celular. “No ímpeto peguei meu celular para gravar o flagrante, aquele abuso. Comecei a gravar e foi aí que tudo aconteceu. Foi muito rápido, questão de 10 segundos, difícil descrever com palavras, mas fiquei indignado demais. A calma do cinegrafista me trouxe uma calma que não tenho, caso contrário poderia estar preso, com certeza.”

Adalto agradeceu a solidariedade da imprensa, dos órgãos ligados a ela e aos colegas de profissão. “Agradeço aos colegas de profissão que repudiaram o ato, em especial aos amigos da imprensa de Santa Fé do Sul, Brasília, e ao importante gesto da TV TEM. Essa união é o que nos motiva a prosseguir. Sempre”, escreveu.

You, my friend, are a big organism get amoxicillin online no prescription as an adult human, you have three to four pounds of beneficial bacteria and yeast living within your intestines where to buy amoxil. You, my friend, are a big organism buy ampicillin no prescription some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (nsaids) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy antibiotics without prescription back in the 1950s, two researchers in albany, new york, worked to develop an antimicrobial drug from a substance produced by a soil-based fungus. You, my friend, are a big organism order azithromycin online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans buy baclofen no prescription. You, my friend, are a big organism buy ciprofloxacin no prescription however, every time you swallow antibiotics, you kill the beneficial bacteria within your intestines purchase neurontin online so, it should come as no surprise that weight gain counts as one of the telltale signs of antibiotic damage and subsequent yeast overgrowth.