DOE AGORA

Conselho Nacional dos Direitos Humanos faz recomendação contra reforma trabalhista

Conselho Nacional dos Direitos Humanos faz recomendação contra reforma trabalhista

Para o presidente do órgão, projeto que tramita na Câmara “utiliza a cortina de fumaça da chamada modernidade mas, na verdade, abre o caminho para o que hoje se chama de escravidão moderna”.

Na manhã desta quarta-feira (26), o plenário do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) aprovou, por unanimidade, recomendação contra o Projeto de Lei (PL) 6.787, da reforma trabalhista. O órgão recomenda ao presidente da República a retirada do projeto, e aos presidentes da Câmara e do Senado, e ao relator que a proposta tenha tramitação em rito ordinário, “garantindo assim amplo debate público, diante de mais de 100 alterações propostas no âmbito da CLT”. O substitutivo ao PL tramita em regime de urgência.

“Nós consideramos que os direitos sociais são protegidos pelo sistema internacional e pela Constituição brasileira. E à medida que essa reforma propõe retrocessos e a desconfiguração de um conjunto de direitos garantidos tanto na esfera internacional como no ordenamento jurídico nacional, isso atinge um princípio fundamental, que é o princípio do não retrocesso dos direitos humanos”, aponta o presidente do CNDH, Darci Frigo.

Em 15 de março, o colegiado já havia se posicionado contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, da “reforma” da Previdência. “O que as duas reformas têm em comum é o fato de que elas desconstroem um sistema de proteção de direitos e atingem os que mais precisam da proteção do Estado”, pontua Frigo.

Para o presidente do Conselho, o discurso adotado pelos defensores das alterações na legislação trabalhista busca esconder os seus impactos negativos. “A reforma utiliza a cortina de fumaça da chamada modernidade mas, na verdade, abre o caminho para o que hoje se chama de escravidão moderna, que é você precarizar as relações de trabalho e ampliar a possibilidade da superexploração. Essa é uma modernização que nos leva não ao futuro, mas a um passado que não queremos mais que volte.”

O documento do CNDH pede ainda que o Ministério do Trabalho apresente estudos técnicos que avaliem e dimensionem os prejuízos aos direitos dos trabalhadores em caso de aprovação do projeto e pede que as centrais sindicais recorram a organismos internacionais, destacando as violações contidas na proposta. “As centrais sindicais têm legitimidade para buscar junto à OIT (Organização Internacional do Trabalho) a proteção dos direitos humanos e de todos os direitos ligados ao mundo do trabalho. Sem dúvida que nesse momento temos que apontar todas as saídas possíveis e uma delas é esse encaminhamento”, pondera Frigo.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing