Territórios da Memória

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Territórios da Memória - Episódio #1: Perícia, Memória e Territórios
Territórios da Memória - Episódio #2: As lutas e memórias de Perus - Para além da vala
Territórios da Memória - Episódio #3: Ocupar os territórios, ocupar as memórias
Territórios da Memória - Episódio #4: A arte e a cultura como memória dos territórios

A temática da Memória é central na construção das identidades, na compreensão dos processos históricos e no entendimento do presente. Assim, ao enquadrar memórias como relevantes, e acontecimentos e trajetórias como memoráveis, existe um exercício profundo de construção coletiva, formação cidadã e desenvolvimento cultural. A partir deste olhar, o projeto Territórios da Memória pretende contribuir com redes de atuação comunitária já existentes, para o mapeamento de memórias territoriais das periferias. Por meio de encontros e debates coletivos, fomentamos a produção de materiais artísticos de memórias, com objetivo de difundi-las em ações educativas e culturais.

Além do compartilhamento comunitário das narrativas e sujeitos relevantes para os territórios, a questão da Memória dialoga também com as heranças do passado autoritário nacional e as disputas a respeito dos sentidos do que foram os períodos de regime ditatorial, além dos quatro séculos de escravidão, sobre os quais ocorreu a fundação do país. A questão do direito à Memória, à Verdade e à Justiça (MVJ) traz a temática com grande fôlego, sendo uma prioridade de atuação do Instituto Vladimir Herzog. Nesse sentido, a perspectiva do olhar periférico é norteador deste projeto, contribuindo com esse enfoque para o debate de MVJ no Brasil.

O Territórios da Memória utiliza a expertise do Instituto Vladimir Herzog, em convergência com a valorização dos acúmulos dos envolvidos no projeto. A organização dos processos baseia-se, assim, nas redes construídas por articuladores territoriais, valorizando as iniciativas de resistência já em curso nos territórios periféricos. Acreditamos que esses olhares são fundamentais para compreender os limites da democracia no Brasil e promover uma cultura de paz e garantia de direitos.

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email