Vladimir
Herzog

Reconhecido mundialmente como um jornalista brasileiro que virou símbolo da luta contra a ditadura militar e a favor da democracia, Vladimir Herzog nasceu, na verdade, em Osijek (ex-Iugoslávia, atual Croácia), em 27/10/1937. Vlado morou em Banja Luka, onde seus pais tinham um comércio, até agosto de 1941 – quando o exército nazista ocupou a cidade, a família partiu para a Itália.

No novo país, os Herzog moraram em três cidades entre 41 e 44: Fonzaso, Fermo e Magliano di Tenna. Nesta última ficaram até a chegada dos aliados em meados de 1944. Seguiram então para um campo de refugiados em Bari, onde permaneceram por mais dois anos. No fim de 1946, Vlado e a família abandonam a Europa e seguem rumo ao Brasil, desembarcando no Rio de Janeiro no dia 24 de dezembro.

Por aqui, a família migrou para São Paulo onde Vlado passou boa parte do final da infância e juventude. Se formou no Curso Clássico do Colégio Estadual de São Paulo, participou de grupos de teatro amadores e ingressou na Faculdade de Filosofia na Universidade de São Paulo – onde conheceria Clarice Ribeiro Chaves, sua futura esposa.

Sua carreira como jornalista começou em 1959, como repórter em O Estado de S. Paulo. Ali, cobriu a inauguração de Brasília, a visita de Jean-Paul Sartre ao Brasil e a posse de Jânio Quadros. Em 62, foi à Argentina cobrir o Festival de Mar del Plata. Entusiasmado, na volta iniciou a carreira no jornalismo cultural, em especial à crítica de cinema.

Apaixonado pela sétima arte, Vlado também se dedicou à produção cinematográfica, produzindo o documentário em curta-metragem Marimbás e colaborando em outras duas obras – Subterrâneos do futebol (Maurice Capovilla) e Viramundo (Geraldo Sarno).

Como jornalista e comunicador, passou pela TV Excelsior, Rádio BBC de Londres (o que o levou a morar na Europa e revisitar as cidades de seu passado), revista Visão, agência de publicidade J. Walter Thompson, TV Universitária da UFPE, jornal Opinião e professor de jornalismo da FAAP e da ECA-USP.

Pela TV Cultura, teve duas passagens: em 1973, a convite do amigo Fernando Pacheco Jordão, para coordenar a redação do jornal Hora da Notícia (que deixa em 74), e quando assumiu a Direção de Jornalismo em setembro de 75, um mês antes de ser assassinado nos porões do DOI-CODI pela ditadura militar.

Vlado compareceu espontaneamente à sede do DOI-CODI, na Vila Mariana, em São Paulo, para depor. No dia anterior, uma sexta-feira, militares haviam procurado Vlado na emissora. O próprio jornalista combinou que estaria disponível na manhã de 25 de outubro para o interrogatório. Ali, foi assassinado. Além da tortura e violência, forjaram uma falsa versão de suicídio.

A farsa não se sustentou e levou uma multidão de mais de 8 mil pessoas à Catedral da Sé e todo o entorno para a missa de 7º dia do jornalista. O ato ecumênico que se viu ali, com D. Paulo Evaristo Arns, o Rabino Henry Sobel e o reverendo Jaime Nelson Wright, foi um marco na luta pela Democracia e na derrocada do regime ditatorial.

Desde 2009, o Instituto Vladimir Herzog, criado pela a família e amigos de Vlado, celebra a vida e trajetória do jornalista e honra a Democracia, Direitos Humanos e Liberdade de Expressão – os valores que ele tanto defendia. Contar a história de Vlado é também uma forma de lutar, resistir e contribuir para uma sociedade mais justa e democrática.

Quer conhecer mais da história e obra de Vlado?

O Caso Herzog

Acervo Vladimir Herzog

Manifesto "Em Nome da Verdade"