DOE AGORA

Só na faculdade se estudam Direitos Humanos?

Só na faculdade se estudam Direitos Humanos?

19/11/2014

Como resposta às denúncias de estupro de três alunas da Faculdade de Medicina da USP em festas promovidas pelos estudantes, a escola implantada há um século pensa agora, entre outras medidas, em alterar sua grade curricular, para incluir temas de Direitos Humanos.

É de ficar perplexo. Alguém achará correto uma pessoa ter de chegar ao ensino superior, para começar a receber educação em Direitos Humanos? Afinal essas noções, que vêm da antiguidade, em tempos modernos foram primeiramente formalizadas em 1789, na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, pela Assembléia Nacional da França, por inspiração da Revolução Americana. E consagradas na Declaração Universal dos Direitos Humanos, emitida pela ONU em 1948. Não seria o lógico e natural aprender esses valores seculares desde criança, a partir da Educação Infantil?

Claro que o ideal é que esse ensino comece em casa, transmitido pela família. Mas é também obrigação inescapável do Estado suprir esses conhecimentos no ambiente escolar, seja nas escolas públicas ou privadas.

É o que começa a fazer, em ação pioneira, a Prefeitura de São Paulo, por iniciativa de sua Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC – SP), em convênio com o Instituto Vladimir Herzog e em parceria com a Secretaria Municipal da Educação. Dessa forma, um grupo inicial de 20 escolas municipais paulistanas começará a implantar a Educação em Direitos Humanos já a partir do próximo ano, após a fase inicial de preparo dos educadores e produção de materiais didáticos.

Essa primeira fase do projeto, intitulado “Respeitar é Preciso!” está sendo executada neste ano, com discussões promovidas pelas duas Secretarias e pelo IVH, com a participação de professores, diretores, funcionários, pais, alunos e membros da comunidade de escolas que fazem parte dos territórios dos Centros de Educação em Direitos Humanos: CEU São Rafael, CEU Casa Blanca, CEU Jardim Paulistano e CEU Pera Marmelo.

O desafio é imenso, porque Direitos Humanos não se aprende a respeitar simplesmente tendo aulas com um professor. Esses valores têm de ser adotados a partir das experiências de cada um, mediante diálogo e vivenciados nas relações cotidianas entre alunos, seus pais, professores, diretores, funcionários das escolas e toda a comunidade.

Apesar da magnitude do repto, porém, é urgente começar a enfrentá-lo. Para que, em anos futuros, não seja mais preciso chegar à universidade, muito menos sofrer estupro, para que os jovens comecem a respeitar os Direitos Humanos.

 

 

You, my friend, are a big organism get amoxicillin online no prescription as an adult human, you have three to four pounds of beneficial bacteria and yeast living within your intestines where to buy amoxil. You, my friend, are a big organism buy ampicillin no prescription some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (nsaids) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy antibiotics without prescription back in the 1950s, two researchers in albany, new york, worked to develop an antimicrobial drug from a substance produced by a soil-based fungus. You, my friend, are a big organism order azithromycin online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans buy baclofen no prescription. You, my friend, are a big organism buy ciprofloxacin no prescription however, every time you swallow antibiotics, you kill the beneficial bacteria within your intestines purchase neurontin online so, it should come as no surprise that weight gain counts as one of the telltale signs of antibiotic damage and subsequent yeast overgrowth.