DOE AGORA

Maior nome do teatro brasileiro, Bibi Ferreira morre aos 96 anos

Maior nome do teatro brasileiro, Bibi Ferreira morre aos 96 anos

O Instituto Vladimir Herzog lamenta profundamente a morte de Bibi Ferreira e presta uma singela homenagem a uma das maiores artistas da história do país.

Reconhecida como uma das maiores atrizes e diretoras de teatro do país, Bibi Ferreira morreu nesta quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019, aos 96 anos.

Por causa da idade, a atriz decidiu se afastar dos palcos em setembro do ano passado. Em nota publicada em redes sociais na época, Bibi disse: “Nunca pensei em parar, essa palavra nunca fez parte do meu vocabulário, mas entender a vida é ser inteligente. Fui muito feliz com minha carreira. Me orgulho muito de tudo que fiz. Obrigada a todos que de alguma forma estiveram comigo, a todos que me assistiram, a todos que me acompanharam por anos e anos. Muito obrigada!”.

Em 2014, o Instituto Vladimir Herzog teve a honra de ter Bibi Ferreira no evento “Mulheres… Um Canto de Resistência”. O projeto, que consistiu em um ensaio aberto e apresentações de um concerto musical no Auditório Ibirapuera, em São Paulo, foi uma homenagem e um reconhecimento a mulheres que, como Bibi Ferreira, resistiram e continuam resistindo à violência, à segregação e, diariamente, lutam pelo direito à vida e à liberdade. Veja um trecho do projeto no vídeo abaixo.

Ainda não há informações sobre velório, enterro ou cremação do corpo de Bibi Ferreira.

O Instituto Vladimir Herzog lamenta profundamente a morte de Bibi Ferreira e manifesta a mais sincera solidariedade aos familiares e amigos da atriz. Em certa ocasião, ela disse que gostaria de ser lembrada pelo seu trabalho, por seus espetáculos, pelas interpretações, pois tudo isso sempre foi feito com muito amor e respeito ao público. Mais do que isso, Bibi nos ensinou a admirar e valorizar o teatro como uma ferramenta cultural poderosa na árdua e permanente missão de transformar a sociedade.

A ela, nossa homenagem: um trecho do projeto “Mulheres… Um Canto de Resistência”, realizado pelo Instituto Vladimir Herzog em 2014.