DOE AGORA

Exposição Resistir É Preciso… inspira documentário dedicado à atuação da imprensa brasileira durante a ditadura (2014)

Exposição Resistir É Preciso… inspira documentário dedicado à atuação da imprensa brasileira durante a ditadura (2014)

A mostra Resistir É Preciso…, idealizada pelo Instituto Vladimir Herzog e organizada em parceria com o Ministério da Cultura e o Banco do Brasil, inspirou o jornalista Ricardo Carvalho a produzir um documentário inédito na TV brasileira sobre o histórico da imprensa política no País. O trabalho, que leva o mesmo nome da exposição, tem co-produção da TV Brasil, TC Filmes e TVM, e será lançado na próxima segunda-feira, na Cinemateca Brasileira. O documentário, dividido em 10 episódios e televisionado pelo canal TV Brasil, exibirá os cinco primeiros capítulos de 24 a 28 de março, às 19h30, e os últimos cinco de 31 de março a 4 de abril, no mesmo horário.

Resistir É Preciso… traz uma perspectiva nunca antes abordada em um programa televisivo, pois trata de toda a trajetória da imprensa nacional em um dos momentos mais críticos de sua existência, que começou com o golpe de 1964. Segundo Ricardo Carvalho, que idealizou e foi o diretor geral deste projeto, o jornalismo brasileiro cresceu muito nesta fase. “Com a explícita intenção de resistir e combater o golpe de 64, uma forma de jornalismo nasceu, cresceu e se expandiu no exílio e na clandestinidade, e até nas bancas quando foi possível publicá-las”, ressalta.

Com lançamento marcado para o dia 24 de março, às 20 horas, na Cinemateca Brasileira, localizada no Largo Senador Raul Cardoso – 207, na Vila Mariana, o primeiro dos 10 episódios faz uma viagem de volta no tempo, até 1867. O ano ficou marcado pela publicação da primeira charge política da História da imprensa nacional, o que dá o tom do tratamento de questões políticas com base no humor, faceta muito característica do jornalismo brasileiro.

Durante o documentário são citadas quase 100 publicações, desde as mais conhecidas, como os jornais Pasquim, Opinião e Movimento, passando pelos jornais estudantis, de comunidades e de sindicatos.  Para Ricardo Carvalho, os jornais regionais também desempenharam papel de destaque na luta contra a o regime militar. “O programa viaja ao Acre, a Minas, Pernambuco e ao Rio Grande Sul, destacando esta imprensa regional e independente que desempenhou um papel da maior importância e é muito pouco conhecida”, comenta.

São mais de 50 entrevistas realizadas ao longo dos últimos três anos com os protagonistas daquele período. São jornalistas, intelectuais e militantes, como Carlos Azevedo, que viveu 10 anos na clandestinidade e que, junto com a sua família, fazia os jornais do PCdoB – Partido Comunista do Brasil. Essas entrevistas destacam, inclusive, as razões que fizeram com que os jornalistas passassem a atuar de forma tão intensa e decisiva contra o regime militar. “Resistir ao golpe e à ditadura faz parte de um cenário maior que está encravado na historiografia e tradição brasileiras: a circulação de jornais para a difusão de ideias que concordem ou não com o poder instituído”, finaliza Ricardo.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing