DOE AGORA

Exposição de artista assassinado na ditadura militar chega à Cidade Tiradentes

Exposição de artista assassinado na ditadura militar chega à Cidade Tiradentes

Resultado de quase dois anos de pesquisa, exposição revela ao público produção que permaneceu desconhecida quatro décadas após a morte do artista

 

Após o sucesso no Centro Cultural São Paulo, onde ficou em cartaz de abril a junho deste ano, a exposição “Antonio Benetazzo, permanências do sensível” chega ao Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes (CFCCT), onde permanecerá entre 1º de outubro e 16 de novembro.

A exposição, desenvolvida desde 2014 pela Coordenação de Direito à Memória e à Verdade da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo (CDMV/SMDHC), conta com a parceria entre a Secretaria Municipal de Cultura, do CFCCT e do Instituto Vladimir Herzog. Dividida em seis partes que revelam os eixos temáticos e as variedades estilísticas do autor, a exposição reúne o maior número de obras de Benetazzo já encontradas – todas espalhadas em casas de amigos e parentes.

O projeto, composto também de uma publicação e um vídeo-documentário, relembra que a ditadura não só impediu a produção e circulação de obras críticas contra o regime, mas atacou e prejudicou a sociedade como um todo. Além de inserir Benetazzo na História da Arte brasileira, a ação tem o objetivo de incentivar os visitantes – principalmente aqueles que não vivenciaram o período da ditadura – a refletir sobre o regime autoritário, para não deixar que tais atrocidades se repitam.

“O projeto tira da clandestinidade a desconhecida obra artística de um importante militante político. Ao mesmo tempo, é também uma forma de reparação histórica, de devolver à população o acesso a uma obra que lhe foi negada em razão da violência de Estado”, salienta Marie Goulart, integrante da Coordenação de Direito à Memória e à Verdade da SMDHC.

Ao levar a exposição para Cidade Tiradentes, a CDMV busca cumprir seu compromisso de territorialização das políticas de construção de memória coletiva sobre a ditadura em toda a cidade. “Desde que criamos o projeto tínhamos a intenção de levá-lo para a periferia, onde a violência de Estado se faz presente até hoje, sobretudo por meio da violência policial. É uma grande alegria ampliar o alcance da exposição e poder levá-la a Cidade Tiradentes”, diz Carla Borges, Coordenadora de Direito à Memória e à Verdade da SMDHC.

No dia 11 de outubro, às 19h, uma roda de conversa com o curador Reinaldo Cardenuto,o secretário de Direitos Humanos Felipe de Paula, e familiares e amigos de Benetazzo irá discutir a obra do artista e seu engajamento político.

 

Exposição Antonio Benetazzo, permanências do sensível

Visitação: 1/10 às 16/11, terça a sábado, das 10h às 17h
Roda de conversa: 11/10, 19h
Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes – Sala de exposição
Rua Inácio Monteiro, 6900, Cidade Tiradentes

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing