DOE AGORA

Equipe vencedora do 6º PJJ viaja a Israel

Equipe vencedora do 6º PJJ viaja a Israel

A equipe que produziu a melhor matéria para o 6º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão foi a Tel Aviv e Jerusalém.

Entre os dias 17 e 27 de abril de 2015, as estudantes de Jornalismo Jéssyka Saquetto, Laís Rocio e Rafaela Laiola, da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); o professor Victor Gentilli (UFES); o editor-chefe do jornal A Tarde (Salvador- BA), Paulo Oliveira; o assistente de Comunicação do Instituto Vladimir Herzog, Julio Maia; e a jornalista Ana Luisa Zaniboni Gomes, diretora da OBORÉ e curadora do Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão, estiveram em Israel para a viagem anual de estudos promovida pelo Instituto Vladimir Herzog.

As estudantes participaram do 6º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão (2014) e produziram a matéria jornalística “Nossas Cláudias, Nossos Amarildos”, vencedora da edição, abordando a violência da Polícia Militar no Espírito Santo. Durante as etapas do trabalho, foram orientadas pelo professor Victor Gentilli e pelo jornalista Paulo Oliveira, diretor da Abraji, especialmente convidado pela coordenação do projeto para acompanhar a produção da reportagem.

Durante uma semana o grupo teve a oportunidade de conhecer um país que, pela mídia, ou é representado por seu turismo religioso ou por seus aparatos e conflitos bélicos. Israel tem cerca de nove milhões de habitantes e é um cenário que concilia modernidade e passado. Cerca de 90% do território israelense é abastecido com água do Mar Mediterrâneo e por isso construiu e mantém a maior usina de dessalinização do mundo. É líder mundial em exportação de produtos hortícolas e frutícolas, mesmo com solos desérticos e clima seco. Em contraste com esse aparato tecnológico, Israel conserva estruturas arquitetônicas que datam de cinco mil anos atrás.

O grupo visitou a capital, Tel Aviv, toda a área histórica de Jerusalém, percorreu a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e a região do Mar Morto.  Conheceu cidades como  Hebrom, Haifa, Akko, Nazareth e a região de Masada. A vivência nesses locais proporcionou o retorno às tradições da memória de diferentes povos. A história da religiosidade se torna presente em igrejas, mesquitas e sinagogas que sobrepõem ruínas arqueológicas onde ocorreram acontecimentos que marcaram o início de diferentes religiões. A cidade de Jerusalém, por exemplo, é um lugar sagrado para judeus, muçulmanos e cristãos, pois sedia lugares que são fundamentais para suas crenças religiosas, como o Muro das Lamentações, o Monte do Templo, a Mesquita de Al-Aqsa e a Igreja do Santo Sepulcro. Outros monumentos religiosos de importância estão na Cisjordânia, entre eles o local de nascimento de Jesus e a Caverna dos Patriarcas, em Hebron. O centro administrativo da Fé Bahá’í  e do Santuário do Báb estão localizadas no Centro Mundial Bahá’í, em Haifa – visitas imperdíveis.

Os conflitos históricos pela dominação dos espaços persistem até hoje no território israelense, perceptíveis na segregação territorial e social entre judeus e árabes. O muro da separação tem hoje 800 quilômetros de extensão e começou a ser construído em 2001 pelo governo de Israel para demarcar a divisão entre cidades judaicas e árabes, evitando o contato entre os dois povos.

A Faixa de Gaza, uma das regiões isoladas pelo muro, compreende a cidade de Gaza e partes de outras cinco cidades anexadas a essa região. O território é controlado pelo exército israelense a fim de impedir e fiscalizar o trânsito de árabes para o território judeu.

As cidades que fazem fronteira com a Faixa de Gaza são dotadas de serviço de inteligência para prever bombardeios e prevenir possíveis ataques, como o do Hamas (grupo islâmico que atua na região). Os pontos de ônibus, escolas e casas possuem abrigos antiaéreos para casos de emergência. O exército israelense também age em represália aos ataques. Todos os cidadãos israelenses têm o dever de se alistar às Forças Armadas ao completarem 18 anos. As mulheres devem servir por dois anos e os homens durante três anos.

O grupo também visitou o Yad Vashem, em Jerusalém, museu construído em memória aos seis milhões de judeus que morreram no Holocausto, ocorrido durante a 2ª Guerra Mundial.

A viagem a Israel foi cuidadosamente planejada e realizada de forma a não se resumir a turismo, mas sim uma aula de campo. Samuel Feldberg, professor de Relações Internacionais das Faculdades Rio Branco e da Universidade de São Paulo, organizador da programação, assim como o guia de turismo, o brasileiro Orem Fucs Bar, não mediram esforços para auxiliar o grupo no entendimento da história de cada lugar visitado, já que foi um mergulho em uma nova realidade, pouco explorada e conhecida para a maioria do grupo.

You, my friend, are a big organism get amoxicillin online no prescription as an adult human, you have three to four pounds of beneficial bacteria and yeast living within your intestines where to buy amoxil. You, my friend, are a big organism buy ampicillin no prescription some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (nsaids) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy antibiotics without prescription back in the 1950s, two researchers in albany, new york, worked to develop an antimicrobial drug from a substance produced by a soil-based fungus. You, my friend, are a big organism order azithromycin online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans buy baclofen no prescription. You, my friend, are a big organism buy ciprofloxacin no prescription however, every time you swallow antibiotics, you kill the beneficial bacteria within your intestines purchase neurontin online so, it should come as no surprise that weight gain counts as one of the telltale signs of antibiotic damage and subsequent yeast overgrowth.