DOE AGORA

Newsletter especial – 50 anos do golpe de 64

Newsletter especial – 50 anos do golpe de 64

 

Há Cinquenta Anos, aqui no Brasil…

 

…. políticos civis abriram as portas para uma ditadura militar, golpeando a democracia, ao ilegalmente considerarem ausente do País e deporem um presidente da República que sabidamente se encontrava em território nacional;

…. homens que se julgavam superiores decidiram se arrogar o direito de mandar arbitrariamente em toda a população, sem terem sido eleitos para tanto;

… os partidos políticos foram emasculados, os parlamentos nacionais inutilizados, o debate sobre as questões brasileiras emudecido pelos ditadores;

… pessoas que discordavam desse estado de coisas passaram a ser cassadas, perseguidas, sequestradas, encarceradas, torturadas, desaparecidas, assassinadas;

… livros começaram a ser queimados e destruídos; o cinema, o teatro, a música foram censurados e castrados;

… manifestações de trabalhadores, estudantes e de quaisquer outros grupos, que de alguma forma contestassem ou questionassem a ditadura, foram proibidas ou violentamente dissolvidas;

… a imprensa foi cerceada e mais adiante abertamente censurada, impedindo que a sociedade recebesse informações sobre a realidade nacional;

… liberdade e democracia se tornaram palavras proibidas e valores condenados pelos ocupantes do governo.

Lembrar a data em que essa longa noite de chumbo se instalou sobre o Brasil é dever de todos os cidadãos, não para comemorá-la, mas para recordar essas desgraças que se prolongaram por 21 anos, de 1964 a 1985. Para que as novas gerações saibam que tudo isso sucedeu aqui no Brasil – e como foi doloroso. E para que jamais permitam que volte a acontecer semelhante flagelo.

O Instituto Vladimir Herzog procura ajudar a reavivar essa lembrança, promovendo eventos especiais no período em que ocorreu, há 50 anos, o golpe que instalou a ditadura.

Essa programação se inicia, em parceria com a OSESP, com um concerto da pianista americana Ursula Oppens, que se apresentará pela primeira vez no Brasil no próximo dia 30 de Março, às 21 horas, na Sala São Paulo. Além de obras de Cláudio Santoro, ela interpretará as 36 variações de Frederic Rzewski para a canção de protesto chilena O Povo Unido Jamais será Vencido!, composta por Sergio Ortega.

Na mesma programação, no TUCARENA, será apresentada a leitura encenada de duas históricas peças de teatro de resistência à ditadura, apresentando diferentes pontos de vista sobre a vida e o assassinato de Vladimir Herzog. Ponto de Partida, de Gianfrancesco Guarnieri, será apresentada nos dias 31 de Março e 3 de Abril às 21 horas e, nos dias 1 e 2 de Abril, no mesmo horário, a peça Patética, de autoria de João Ribeiro Chaves.

Ainda no mesmo período, em data a ser determinada, será lançado o livro 50 Anos Construindo a Democracia, uma obra autoral do professor Mário Sérgio Moraes, em estilo que focaliza os leitores jovens, narrando a História e histórias do período da ditadura e suas consequências.