DOE AGORA

O DIARIO DE ANNE FRANK

O DIARIO DE ANNE FRANK

De Leopoldo Gamberini (1922)

Cantata para soprano solista, coro, madrigal,

orquestra sinfônica e live eletronics

Esta cantata cênica de L. Gamberini é baseada no diário de Anne  Frank com texto em italiano. Foi composta em 1958 com a colaboração do pai Otto Frank que estava presente na primeira audição realizada com piano e voz tocada pelo então jovem promissor pianista Daniel Barenboim.

A primeira audição completa , com orquestra foi realizada na Berlin Staats Oper e a última no Conservatório Giuseppe Verdi de Milano dirigida pelo Maestro Martinho Lutero Galati De Oliveira. Foi gravada pelo soprano Tatiana Tretiak com a Orquestra de Minsk em 1998 no selo Angelicum.

A obra é narrada pelo coro que prepara as cenas descritas e contadas pela própria Anna Frank protagonizada pelo soprano solista . A ambientação da guerra, dos bombardeamentos, dos sinos das igrejas que ela ouvia como sinal de vida dentro do campo de concentração são efeitos de live-eletronics baseados em gravações originais de época, como a sirene alemã dos avisos de bombardeamento. A partitura é complementada com acompanhamento de orquestra sinfônica  romântica de cerca setenta/oitenta elementos com uma escritura típica orquestral italiana do pós-guerra.

A  linguagem pós-romântica da obra é de grande impacto emotivo e sonoro, tendo envolvido com entusiasmo as platéias onde tem sido executado pelo mundo inteiro.

A execução brasileira será realizada com o Coro Luther King acrescido de um madrigal de solistas; orquestra sinfônica, live-eletronics originais com gravações cedidas pelo compositor e a solista soprano Celine Imbert, sob a direção do Maestro Martinho Lutero Galati de Oliveira .