DOE AGORA

Mensagens de signatários do manifesto “Em Nome da Verdade”, de 1976

Mensagens de signatários do manifesto “Em Nome da Verdade”, de 1976

A pergunta feita foi: em que circunstâncias você assinou o documento? Por intermédio de quem o recebeu, onde trabalhava, que idade tinha etc.

Antônio Luiz Bernardes

Primeiro, que notícia boa a reedição do livro do Fernando [Pacheco Jordão], assim como a iniciativa de enriquecê-lo com este trabalho a partir dos jornalistas que, naquelas circunstâncias dramáticas e cruciais, assinaram o manifesto “Em nome da Verdade”, cuja repercussão foi muito importante não só para que a versão “fake” da ditadura sobre o assassinato de Herzog não vingasse, mas também para acelerar o processo de pôr fim àquele sombrio período da vida nacional.

Vamos à declaração:

Lançar o manifesto “Em Nome da Verdade” foi a forma encontrada por mais mil jornalistas brasileiros de expressarem sua revolta e indignação diante do brutal assassinato de Vladimir Herzog e da tentativa de camuflar este crime hediondo com uma caluniosa versão de que ele teria se suicidado. E exigir justiça e o fim do longo período sombrio de ditadura militar vivido pelo país.

Ele surgiu em um contexto em que a sociedade brasileira, e em particular os jornalistas, submetidos a vergonhosa censura prévia, já vinham dando sinais de revolta, cansaço, impaciência  e insatisfação com a ditadura militar e seus crimes, como nas eleições de 1974, nas quais ela foi fragorosamente derrotada, de norte a sul do país,  obrigando-a a ensaiar uma manobra, a chamada “distensão lenta, gradual e segura”, que visava assegurar sua continuidade por meio de mudanças cosméticas. A repercussão deste manifesto foi decisiva não apenas para impedir que a versão caluniosa da ditadura tivesse credibilidade, mas também para acelerar o fim da própria ditadura, abrindo caminho para uma retomada democrática da vida nacional.

Os jornalistas brasileiros estiveram, desde o início, à frente dos protestos contra o assassinato de Herzog, liderados pelo presidente do Sindicado dos Jornalistas de São Paulo, Audálio Dantas, em ampla aliança com a sociedade civil, onde se destacavam as presenças de dom Evaristo Arns, do pastor Jaime Wrigth e do rabino Henry Sobel. Os que, como eu, com 27 anos à época, trabalhavam no jornal Movimento, uma publicação sob forte censura prévia, tiveram participação ativa nestes protestos, estimulados por seus principais editores, Raimundo Pereira, Marcos Gomes e Sérgio Buarque de Gusmão, contribuindo, inclusive, para sua nacionalização, por meio da mobilização de suas sucursais espalhadas pelas principais capitais do país.

29/9/2020.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing