DOE AGORA

Mensagens de signatários do manifesto “Em Nome da Verdade”, de 1976

A pergunta feita foi: em que circunstâncias você assinou o documento? Por intermédio de quem o recebeu, onde trabalhava, que idade tinha etc.

Belisa Ribeiro

Já tinha um filho. Mas, aos 21, estava aprendendo ao mesmo tempo a exercer o meu ofício e a minha cidadania. Criança, já tinha aprendido, ao ver meu tio comunista* algemado na cerimônia de casamento da filha, que pessoas podiam ser presas por pensarem diferente. Quis ser jornalista acreditando em salvar o mundo deste e de outros tipos de injustiça e, naquele 1975, recém-promovida de estagiária a repórter “D”, no Jornal do Brasil, mantinha a firme certeza de que conseguiríamos, o plural se referindo aos colegas que admirava e que me ensinavam a apurar as matérias e escolher o lide e também, por exemplo, que os que chegavam de Angola, fugidos da República Popular, proclamada pelo MPLA, não eram bem vítimas nem mereciam tanto assim a minha comoção. 

Foi muito revoltante a morte do Herzog.  Mais ainda que a perda de um colega de quem eu pouco sabia, doía muito a mentira, a suposição de que éramos – não somente os jornalistas, mas todos – tão idiotas quanto submissos para acreditar no suicídio sem reação. Não acreditamos e reagimos. 

Na redação, eram muitas as histórias de resistência memoráveis. Eu não me cansava de ouvir a do AI5, admirada de estarem ali, ao alcance do meu olhar, alguns personagens heroicos – os que driblaram a censura ousada e bravamente e ainda por cima com bom humor suficiente para transformar em protesto político a previsão do tempo no quadradinho habitual da primeira página do JB.

Não lembro qual companheiro me pediu a assinatura. Pode ter sido um dos repórteres especiais. Paulo César Araújo, Heraldo Pereira, [Sérgio] Fleury e Tarcísio Baltar. Eram ídolos para mim e tinham paciência de aceitar meus pedidos de me levar de penetra em algumas de suas grandes reportagens para aprender. 

Admirava e respeitava tanto estes quatro que me casei com um, o Tarcísio, pai do meu segundo filho, nascido também na ditadura. 

O ambiente no jornalismo nessa época era de união entre todos, dos chefes aos estagiários, contra a censura e as arbitrariedades do “regime”. O Jornal do Brasil teve uma atuação memorável durante toda a luta pela democracia através não de passeatas ou manifestos, mas do próprio jornal, das apurações irretocáveis, como  na morte de Rubens Paiva em 1971[reportagem publicada em 1978], e dos dribles inteligentes como a primeira página  sobre o suicídio de Allende, em 1973, toda em texto de letras gigantes mas sem título, já que a ordem dos censores era: “Não pode dar manchete com a morte do Presidente do Chile”.

O abaixo-assinado foi um destes marcos. E seguiu exatamente a mesma filosofia. Construir com rigor o que será publicado e dar a volta nas proibições. Pela pesquisa em curso pelo jornalista e historiador Mauro Malin, podemos comprovar a veracidade das mais de mil assinaturas. E a publicação em forma de anúncio é mais um exemplo de como éramos craques na arte da guerrilha.

Tive a felicidade de ouvir os testemunhos de alguns dos grandes responsáveis por este momento único da imprensa para o livro e o filme que fiz sobre o JB, Jornal do Brasil – história e memória (Ed. Record). E me sinto honrada por estar aqui escrevendo sobre esta atitude coletiva, que reuniu profissionais de posições políticas tão diversas, em torno do objetivo comum que era a luta pela liberdade e pela democracia. 

* Ivan Ramos Ribeiro (1911-1970) – Tenente aviador, dirigente do PCB, participou da Revolução de 35, perdeu a patente, ficou preso durante nove anos e morreu em uma reunião clandestina. Era chamado por Graciliano Ramos, colega de prisão em Fernando de Noronha de “o tenente que sabia sintaxe” e teve o livro Seara Vermelha, de Jorge Amado, dedicado a ele e à mulher, Elizabeth.

8/2/2021.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing