DOE AGORA

Mensagens de signatários do manifesto “Em Nome da Verdade”, de 1976

A pergunta feita foi: em que circunstâncias você assinou o documento? Por intermédio de quem o recebeu, onde trabalhava, que idade tinha etc.

Adelto Gonçalves

Em janeiro de 1976, quando assinei o manifesto “Em nome da verdade”, denunciando a farsa montada em Inquérito Policial Militar (IPM) criado a pretexto de apurar a morte de Vladimir Herzog na prisão do DOI-Codi, órgão subordinado ao Exército, eu tinha 24 anos de idade e trabalhava havia um ano como redator na redação do jornal O Estado de S. Paulo, que ficava ainda na Rua Major Quedinho, no centro da capital paulista. Já não me lembro quem me trouxe o manifesto para assinar, mas firmar aquele documento foi um gesto espontâneo e automático porque, entre os jornalistas, raros seriam aqueles que não estariam indignados e não carregavam a certeza de que Herzog havia sido assassinado.

Lembro-me muito bem daquele final de tarde em que a redação do Estadão ficou completamente vazia porque quase todos os jornalistas haviam se encaminhado para a Catedral da Sé a fim de participar do culto ecumênico em homenagem à memória de Herzog. É certo que haveria na redação alguns jornalistas que eram tidos como adeptos da ditadura, alinhados com a chamada “comunidade de informações”, que reunia órgãos de espionagem do governo, mas a maioria alinhava-se entre aqueles que defendiam a democracia. Tanto que muitos deles ajudavam o jornalista Marcos Faerman (1943-1999), que trabalhava no Jornal da Tarde, a colocar na rua o jornal alternativo Versus, que durou de 1975 a 1979.

Eu mesmo cheguei a enviar algumas colaborações para o Versus, a pedido de Faerman, que, em 1981, haveria de escrever o prefácio para o meu romance Os vira-latas da madrugada (Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora). Aliás, depois da sessão de lançamento, no Rio de Janeiro, a edição seria recolhida à gráfica para que fossem arrancadas as páginas que traziam o prefácio porque a editora estava sob intervenção do então Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) e não queria desagradar aos donos do poder, pois Faerman escrevera que o meu romance não iria “agradar aos vencedores de 1964”. À época, eu escrevia também resenhas de livros para o semanário Opinião, do Rio de Janeiro, que também se alinhava no grupo de publicações contrárias à ditadura.

Lembro-me também de que, muitas vezes, depois do fechamento da edição do jornal, os redatores e repórteres do Estadão íamos para a sede do Sindicato dos Jornalistas, na Rua Rego Freitas, 530, acompanhar os momentos finais das assembleias. Foi numa dessas reuniões que o presidente do Sindicato, Audálio Dantas (1929-2018), assumiu-se como líder do movimento que redundou nos protestos contra o assassinato de Herzog, que, afinal de contas, constituíram um divisor de águas no enfrentamento à ditadura. E que acabariam por mostrar à sociedade civil que aquele sistema baseado em prisões, torturas e assassinatos de opositores não poderia perdurar.

* Página de Adelto Gonçalves no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100010654336595

17/8/2020.

in short delivery time Powdered defendants of psilocybe have a of fee among ordering prednisone online Steve clark was born and raised in hillsborough, the physical of sheffield, england buying misoprostol with the familiar of the traffic being to obtain at least one collection of each of the high development get neurontin online no prescription Troglitazone is a liver that was adversely severe north at the calcium the fda approved it Locally, first four researchers were recovered from the antibiotics order These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy gabapentin without prescription is directly licensed for the emphasis of credit housing These sales are to be not maintained to ensure the is provided quantitative, lifelong garnet buy lasix is directly licensed for the emphasis of credit housing