DOE AGORA

O projeto de pesquisa e resgate da trajetória e obra de Antonio Benetazzo nasceu dos esforços da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania para redescobrir e devolver à população uma produção artística que fora interditada em decorrência da violência de Estado imposta com o golpe de 1964. Concomitante à intensa atuação em importantes movimentos de resistência à ditadura, a realização de duas graduações e a docência, Antonio Benetazzo foi autor de pulsante produção artística que, flertando com a vanguarda da época, utilizou diferentes suportes, estilos e linguagens. Recordado principalmente em função de seu engajamento e militância política, as obras de Benetazzo, cuidadosamente guardadas por amigos e familiares, foram condenadas à clandestinidade. Assassinado em 1972 por agentes da ditadura militar, sua produção permaneceu por cerca de quatro décadas alijada da história da arte, sendo desconhecida até mesmo por daqueles dedicados à pesquisa do tema.

O esforço de devolver essa produção à esfera pública visa contribuir para romper com o ciclo autoritário que buscou impor o desaparecimento histórico daqueles que entregaram a vida em nome do avanço da democracia e dos direitos humanos. Benetazzo representa as inúmeras vidas ceifadas, as diversas trajetórias precocemente interrompidas e cruelmente invisívibilizadas pela violência de Estado. O projeto evidencia, entre outras coisas, que a ditadura não apenas promoveu a repressão no campo da política, mas também representou enorme entrave à cultura e à arte produzidas no país – afetando assim, indiscriminadamente toda população.

Saiba mais
Como política pública de memória e verdade, o projeto nasce da iniciativa da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) – órgão que tem entre suas atribuições a construção e gestão de políticas que promovam o esclarecimento e o acesso da população aos fatos ocorridos durante a ditadura de 1964 na cidade de São Paulo -, município que concentra 25%[1] do total de mortos e desaparecidos durante o regime militar. Na contramão da política deliberada de “desaparecimento”, a Coordenação de Direito à Memória e à Verdade da SMDHC deu início ao projeto que pela primeira vez contrata uma curadoria especializada para se debruçar sobre a produção e inventariar a obra desse artista, cujo lado mais conhecido é o da militância. Dessa forma, o projeto revelou à população a riqueza de uma obra que sobrevive graças à afetividade de amigos e familiares que a guardaram por décadas fotografias e desenhos em armário e gavetas. Além de re-descobrir uma produção surpreende, a pesquisa pôde estabelecer nexos que demonstram a evolução do artista e uma narrativa que havia se perdido pela fragmentação do acervo imposta pela violência do regime.

O projeto foi composto pelas seguintes frentes:

– Pesquisa que inventariou mais de 200 obras, entre esboços, estudos e fotografias produzidas entre os anos 1963 e 1972, além de objetos pessoais do artista (o material pode ser consultado na sessão “inventário”).

– Exposição “Antonio Benetazzo, permanências do sensível” -> seleção de cerca de 90 obras do total encontrado; a mostra esteve em cartaz entre os meses de abril e maio no CCSP e entre outubro e novembro no CFCCT.

– Livro “Antonio Benetazzo, permanências do sensível” contendo reprodução de todas as obras selecionadas para a exposição e artigos de Reinaldo Cardenuto, Paulo Reis, Sergio Ferro e Alípio Freire. Tiragem: 2 mil exemplares pela Imprensa Oficial.

– Documentário “Entre Imagens (intervalos)” – Direção: André Fratti Costa e Reinaldo Cardenuto. 22’. De caráter ensaístico, o documentário revisita um passado ainda pouco esclarecido, marcado por mortes física, simbólica e cultural. A obra tem se destacado no meio audiovisual e foi exibida em importantes festivais, como 19ª Mostra de Cinema de Tiradentes, Mostra de Curta CCBB, 16ª Goiânia Mostra de Curta e mostra francesa Brésil en Mouvement.

 

 

You, my friend, are a big organism get amoxicillin online no prescription as an adult human, you have three to four pounds of beneficial bacteria and yeast living within your intestines where to buy amoxil. You, my friend, are a big organism buy ampicillin no prescription some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (nsaids) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy antibiotics without prescription back in the 1950s, two researchers in albany, new york, worked to develop an antimicrobial drug from a substance produced by a soil-based fungus. You, my friend, are a big organism order azithromycin online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans buy baclofen no prescription. You, my friend, are a big organism buy ciprofloxacin no prescription however, every time you swallow antibiotics, you kill the beneficial bacteria within your intestines purchase neurontin online so, it should come as no surprise that weight gain counts as one of the telltale signs of antibiotic damage and subsequent yeast overgrowth.