DOE AGORA

Universidade Federal de Santa Catarina divulga relatório de crimes cometidos pela ditadura militar

Universidade Federal de Santa Catarina divulga relatório de crimes cometidos pela ditadura militar

Comissão da Verdade e Memória da UFSC, criada no final de 2014, investigou a atuação do aparato repressivo dentro da universidade durante os anos de ditadura

por Ana Helena Rodrigues

Os atos de repressão e violência que afetaram todos os setores da sociedade brasileira durante o período de ditadura militar começaram a ser apurados oficialmente a partir da de maio de 2012, pela Comissão Nacional da Verdade (CNV), criada pelo Congresso Nacional através da Lei 12.528/2011. Dada a grande extensão do território nacional, a CNV sugeriu a criação de comissões similares em nível estadual para reforçar as investigações. Da pesquisa realizada pela Comissão Estadual da Verdade Paulo Stuart Wright, no estado de Santa Catarina, surgiu a necessidade da formação de uma comissão para investigar especificamente os ocorridos na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A Comissão de Memória e Verdade da UFSC (CMV-UFSC), criada em dezembro de 2014 pelo Conselho Universitário, apurou e identificou as violações dos direitos humanos que atingiram a comunidade universitária no período de 1º de abril de 1964 a 5 de outubro de 1988. Por mais de três anos, a Comissão realizou pesquisas em acervos de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Brasília, colheu 21 depoimentos de pessoas que viveram o período ditatorial na instituição e realizou três audiências públicas com 13 depoentes ao todo. O resultado de todo esse trabalho se encontra no Relatório Final, disponibilizado no site do Acervo de Memória e Direitos Humanos da universidade.

Inicialmente prevista para ter a duração de um ano, a Comissão teve a sua vigência prorrogada devido à abrangência das atividades previstas e, diante da riqueza das fontes encontradas, da possibilidade de expansão da pesquisa. “Uma investigação instiga outra, e o que se sabia torna-se ínfimo se comparado ao tanto que resta por saber”, conta Rachel Abrão, estudante de Ciências Sociais que contribuiu com a CMV-UFSC. “A criação da comissão proporcionou muito mais do que uma conexão entre política, memória e história, proporcionou conhecimento, pesquisa, reconhecimento e a busca incansável pela justiça.”

A partir da análise de documentos do Serviço Nacional de Informação (SNI) e do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), a Comissão constatou a colaboração direta da administração da UFSC com órgãos do Exército, através dos reitores e servidores públicos do alto escalão que repassaram ao governo, durante todo o regime militar, informações sobre pessoas consideradas subversivas. Em 1972 a repressão se tornou mais forte na tentativa de conter o aumento dos movimentos de resistência. Para isso, a UFSC criou um órgão interno específico para vigilância da população universitária, a chamada Assessoria de Segurança e Informação (ASI) que fazia o trabalho de vigiar o movimento estudantil e a atuação dos docentes.

Para Rachel, uma parcela da população brasileira se dizer hoje em dia saudosista da ditadura reflete a falta de conhecimento sobre nosso próprio passado. Em referência à queima de livros promovida depois do golpe civil-militar de 1964, a estudante conclui: “Penso que, se não mantivermos uma constante reflexão sobre nosso passado, as cruéis imagens do museu em chamas poderão espalhar fagulhas por toda sociedade, repetindo uma vez mais a barbárie de um estado desumano.”

 

Para saber mais sobre a Comissão de Memória e Verdade da UFSC:

* Entrega do Relatório Final da Comissão de Memória e Verdade da UFSC:

http://g1.globo.com/globo-news/estudio-i/videos/v/ufsc-revela-que-havia-estrutura-de-espionagem-durante-a-ditadura-militar/6734722/

http://agecom.ufsc.br/2018/05/03/comissao-memoria-e-verdade-da-ufsc-promove-evento-para-entrega-do-relatorio-final/

* Acervo de Memória e Direitos Humanos da Universidade Federal de Santa Catarina: https://www.memoriaedireitoshumanos.ufsc.br

* Inauguração da placa em homenagem aos estudantes da UFSC presos no Congresso de Ibiúna de 1968:

https://www.youtube.com/watch?v=fxyJc_eVV1Q