DOE AGORA

Seleção brasileira e ditadura militar

Seleção brasileira e ditadura militar

Na tentativa de legitimar o regime militar e ocultar suas atrocidades, generais como Emílio Médici se aproximaram da seleção brasileira

Ao lado de Médici, Pelé levanta a taça da Copa do Mundo de 1970

Por Ana Helena Rodrigues, do Instituto Vladimir Herzog

Ser desclassificada nas quartas de final da Copa do Mundo não é o que já aconteceu de pior com a seleção brasileira de futebol. Nem mesmo o 7 x 1 sofrido contra a Alemanha em 2014. Hoje em dia, quem perde a voz torcendo em frente à TV talvez não saiba das restrições impostas aos nossos jogadores e a toda a equipe técnica durante os tempos de chumbo da ditadura militar brasileira. Fosse para evitar manifestações públicas contra o regime durante os jogos em terras estrangeiras ou para associar o sucesso nos gramados às diretrizes políticas do país, os militares interferiram na estrutura da seleção e usaram os canarinhos a seu favor.

Considerada até hoje o hino da seleção brasileira, “Pra frente, Brasil” foi escolhida como tema da campanha que incentivou os brasileiros a apoiarem os jogadores que nos trariam o tricampeonato em 1970, no México, ganhando de 4 x 1 da Itália. Nas escolas e nos intervalos comerciais da televisão e do rádio, a população torcia pelos craques Pelé, Rivelino e Jairzinho enquanto cantava os versos ufanistas “Noventa milhões em ação, pra frente, Brasil, do meu coração. Todos juntos, vamos, pra frente, Brasil, salve a seleção”. Em entrevista ao jornal uruguaio La Opinión em 1972, Pelé afirmaria: “Não há ditadura no Brasil. O Brasil é um país liberal, uma terra de felicidade. Somos um povo livre. Nossos dirigentes sabem o que é melhor para nós e nos governam com tolerância e patriotismo”.

O que acontecia nos vestiários, no entanto, era diferente. O sucesso na Copa de 1970, no México, foi antecedido pela militarização da equipe técnica que ficou a cargo de indivíduos de diversas patentes do Exército Brasileiro. Paradoxalmente, o então treinador da seleção era o jornalista João Saldanha, filiado ao Partido Comunista Brasileiro, que apesar de ter garantido a classificação da seleção invicta naquela Copa, não comandou os jogadores durante o torneio. “Ele era crítico do governo e denunciou que havia tortura no país, além de não ter aceitado interferências do general-presidente na escalação do time principal”, conta Maurício Murad, professor da UERJ e pesquisador na área de Sociologia dos Esportes, durante entrevista concedida ao Instituto Vladimir Herzog.

Confira a entrevista:

IVH – O governo militar se utilizou da seleção brasileira como instrumento de propaganda durante a ditadura?
Na tentativa de legitimar o regime ditatorial fechado e obscurantista, o governo utilizou e muito o futebol, de várias formas. Isso, claro, pela imensa popularidade que o futebol tinha e tem na nossa população. Isso aconteceu principalmente, mas não somente, durante o Governo Médici (1969/1974), período mais sombrio da sombria ditadura civil-militar, que infelicitou o nosso país, torturou, assassinou e entregou as nossas riquezas.

IVH – De que maneira isso aconteceu?
Os comandos do futebol, sobretudo da Seleção Brasileira, passaram por um processo de militarização, tal como aconteceu com quase todos os setores da nossa vida social, nas áreas da educação, da saúde, do transporte, etc. Outro exemplo da atuação do regime foi a censura política e ideológica imposta a todos os profissionais, jogadores e treinadores que faziam parte da espetacular seleção brasileira, que foi tricampeã no México, em 1970.
O “Caso João Saldanha” foi emblemático e simboliza bem a censura e as tentativas de controle absoluto, falta de liberdade de expressão, repressão e violência de Estado – como em toda a sociedade, nas artes, nas universidades, na imprensa, nos sindicatos, nos parlamentos, no mundo rural.

IVH – Essas táticas surtiram o efeito esperado pelos militares?
Em parte sim, e de imediato, porque sufocaram qualquer tentativa de oposição democrática e de novas ideias sobre o que era e de como deveria ser o futebol, como fenômeno social e cultural. De outro lado, não, porque as tentativas de uso político do futebol no Brasil, naquela conjuntura e quase sempre, têm resultados muito abaixo daqueles esperados pelo poder. Naquela época, inclusive, o resultado das primeiras eleições parlamentares após a conquista do tricampeonato, foram decepcionantes para o projeto de legitimação da ditadura.

IVH – Algum jogador se posicionou politicamente naquele período?
Alguns poucos. Destaco como símbolo da época o jogador Afonsinho, do Botafogo e da Seleção Carioca, contestador, articulado com diversos setores da cultura brasileira, com a ideia de organização sindical da categoria, que lutou e conquistou, na justiça, o primeiro passe-livre da história do futebol brasileiro. Conquista emblemática politicamente, porque abalou os alicerces escravistas das relações de trabalho no universo do futebol por aqui. 

IVH – O resultado do campeonato deste ano terá algum efeito nas eleições de outubro?
Só o tempo dirá, mas creio que não. Historicamente não há indicadores claros, indiscutíveis desse tipo de influência. A História comprova, até empiricamente, que não há uma relação direta, mecânica, de causa e efeito, entre o futebol, uma das nossas maiores manifestações de massa, e os resultados na política, apesar de todas as tentativas das estruturas de poder.