DOE AGORA

Nossa história

O jornalista Vladimir Herzog na redação do Serviço Brasileiro da BBC, na Bush House do bairro de Aldwych, na região central de Londres.

O Instituto Vladimir Herzog, criado para celebrar a vida de Vladimir Herzog, baseia sua visão e sua missão na trajetória do jornalista, assassinado pela ditadura que dominou o Brasil entre 1964 e 1985.

A carreira jornalística de Vlado – como era conhecido – o levou a alguns dos mais importantes órgãos da imprensa brasileira e internacional, como o jornal O Estado de S. Paulo, revista Visão, TV Excelsior e BBC, de Londres. Em 25 de outubro de 1975, quando era diretor de jornalismo da TV Cultura, foi torturado até a morte após se apresentar voluntariamente no DOI-CODI para responder a um interrogatório.

Em 31 de outubro do mesmo ano, com a imprensa censurada, uma multidão de mais de oito mil pessoas se reuniram na Catedral da Sé, em São Paulo, e seus arredores para um culto ecumênico pela alma de Vladimir Herzog, soltando, dessa forma, um corajoso brado de solidariedade, dor e revolta que se espalhou pelo país e iniciou a derrocada do regime ditatorial.

Em 1978, em consequência de processo aberto pela família Herzog, o Estado brasileiro foi condenado por sentença judicial como responsável pela prisão, tortura e morte do jornalista, reparando a falsa versão de suicídio que os agentes da ditadura haviam divulgado.

Nesse mesmo ano, a família Herzog, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo e outras entidades criaram o Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, que se tornou uma referência no jornalismo brasileiro, sendo entregue anualmente aos autores das melhores reportagens sobre os dois temas. Mais de 500 jornalistas já foram distinguidos.

Em junho de 2009 a família e um grupo de amigos e ex-colegas de Vlado decidiram criar o Instituto Vladimir Herzog, para conceber e implementar ações que reforcem os valores da Democracia, Direitos humanos e Liberdade de Expressão.

O IVH, com sede em São Paulo (SP), é uma instituição sem fins lucrativos, certificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) pelo Ministério da Justiça. Realizamos atividades voltadas a diferentes áreas dos direitos humanos, como projetos educacionais que formam valores de respeito à diversidade nos indivíduos desde os seus primeiros anos de vida e ações culturais que resgatam e preservam a história recente do Brasil. Conheça nossos projetos neste link.

Conheça os prêmios que conquistamos:

Prêmio Direitos Humanos - Categoria Direito à Memória e à Verdade - 2011

Presidenta Dilma Rousseff entrega o Prêmio Direitos Humanos 2011 ao Instituto Vladimir Herzog, representado pela senhora Clarice Herzog. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Em apenas dois anos de existência (2011), o trabalho desenvolvido pelo Instituto Vladimir Herzog foi reconhecido pela mais alta cúpula do Governo Federal. A entidade foi vencedora, na categoria “Direito à Verdade e à Memória”, da 17ª edição do Prêmio Direitos Humanos, concedido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

“Este prêmio na verdade é uma homenagem a meu pai, Vladimir Herzog, e a todas as outras pessoas que foram assassinadas, torturadas e vitimadas de várias formas pela ditadura. E é também um grande incentivo da Presidência da República para que nós e outras entidades continuem a ajudar a recuperar a história recente do País – agora com o importante reforço da Comissão da Verdade e da Lei do Direito à Informação – e a fazer com que as novas gerações conheçam os males de uma ditadura e impeçam que isso volte a acontecer no nosso País”, afirmou Ivo Herzog, diretor executivo do IVH.

Saiba mais.

POP - Prêmio Opinião Pública - 2012
O Prêmio Nacional de Relações Públicas foi criado pelo Conrerp 2ª Região – SP/PR em 1979, tendo sua primeira edição oficial no ano de 1980, então denominado “Prêmio Opinião Pública” – daí sua sigla “POP”, como é carinhosamente conhecido até hoje. Nestes 30 anos de premiações, o POP contemplou cerca de 270 cases em diversas categorias. Em 2012 o IVH levou o prêmio na categoria Relações Públicas nas Organizações de Terceiro Setor com o case “Os 75 anos de Nascimento do Jornalista Vladimir Herzog”.

Certificado de Premiação POP 2012 – Relações Públicas nas Organizações de Terceiro Setor

Saiba mais.

Prêmio Franz de Castro Holzwarth de Direitos Humanos da OAB São Paulo - 2013

Troféu do Prêmio Franz de Castro Holzwarth de Direitos Humanos concedido pela OAB São Paulo ao IVH em 2013.

Em 3 de junho de 2014, o Instituto Vladimir Herzog recebeu o Prêmio Franz de Castro Holzwarth de Direitos Humanos da OAB São Paulo, durante cerimônia realizada no prédio-sede da Ordem em São Paulo, na Praça da Sé, centro da cidade.

Este prêmio contempla entidades e pessoas que contribuem ativamente pela defesa dos Direitos Humanos no país, tendo como proposta incentivar a luta pela justiça social e pelo respeito aos direitos básicos do cidadão. O nome da premiação é uma homenagem ao advogado Franz de Castro Holzwarth, assassinado em 1981 durante luta em defesa dos direitos dos presos de Jacareí (SP).

A OAB-SP já entregou este prêmio, que está na 30ª edição, a figuras históricas como Ulysses Guimarães, Caco Barcelos, Herbert de Souza (Betinho), Vicente Paulo da Silva (Vicentinho), Dom Paulo Evaristo Arns, Henry Sobel e padre Júlio Lancellotti, além de instituições renomadas, como a APAE-Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais.

Saiba mais.

Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos - 2014

Troféu de Menção Honrosa concedida ao IVH durante a entrega do VI Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos em 2014.

O Instituto Vladimir Herzog recebeu homenagem durante a entrega do VI Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos, realizada em 14 de maio de 2014, no auditório da Biblioteca Pública Alceu Amoroso Lima, no bairro de Pinheiros, em São Paulo. A premiação integrou a semana do Dia Nacional da Luta Antimanicomial, celebrado em 18 de maio.

Anualmente, o coletivo Gato Seco – Nos telhados da Loucura homenageia 13 pessoas e instituições que, com sua arte e atitude, contribuem denunciando e atuando para manifestar indignação contra violações dos Direitos Humanos, especialmente no que se refere às pessoas nas condições de sofrimento mental.

O Prêmio recebe o nome de Austregésilo Carrano Bueno, dramaturgo e escritor que se empenhou durante toda a vida pelo fim dos manicômios no Brasil. Criado em 2009, o Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos tem como objetivo dar continuidade à luta de Carrano por uma mudança nas condições de tratamento de pessoas em sofrimento mental e a Lei da Reforma Psiquiátrica no Brasil, da qual Carrano foi um dos maiores defensores e críticos.

Saiba mais.

Prêmio Direitos Humanos - Menção Honrosa - 2015

Em dezembro de 2015, o Instituto Vladimir Herzog foi distinguido por seu projeto educacional Respeitar é Preciso! com a Menção Honrosa do 21º Prêmio Direitos Humanos da Presidência da República. Em 2015, o evento premiou 19 entidades em 18 categorias, além da menção honrosa conquistada pelo IVH, que foi recebida por Ivo Herzog, diretor executivo, e Ana Rosa Abreu, diretora de projetos educacionais do Instituto.

Durante a cerimônia, realizada no Palácio do Planalto, a presidenta Dilma Rousseff destacou a importância das entidades que atuam em defesa dos direitos humanos: “Democracia pressupõe a participação de todos e o respeito à vontade da maioria. Não há democracia sem direitos humanos, da mesma forma que os direitos humanos sucumbem sem democracia”, destacou a presidenta.

Nilma Lino Gomes, Roberto Caldas, Giordano Magri, José Eduardo Cardozo, Ivo Herzog, Dilma Rousseff, Ana Rosa Abreu, Ricardo Lewandowski e Rogério Sottili na entrega da 21ª edição do Prêmio Direitos Humanos, em 2015. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Saiba mais.

 

Veja como foi o lançamento do Instituto Vladimir Herzog:

 

Acompanhe nossa trajetória e veja cada novo projeto e nova conquista em nossa linha do tempo: