Exposição Resistir é Preciso integra programa educativo direcionado ao deficiente físico do Centro Cultural Banco do Brasil (2013)

Série de atividades gratuitas acontece durante a 6ª Semana de Acessibilidade de 25 a 30 de novembro 

A exposição Resistir é Preciso faz parte da série de atividades da 6ª Semana da Acessibilidade. A visita mediada acontece no dia 27, às 14h30, e conta com atendimento de educadores capacitados a atender pessoas com deficiência.

Como parte do Programa Educativo do CCBB, a Semana da Acessibilidade acontece entre os dias 25 e 30 de novembro e possibilita o público de participar de atividades desenvolvidas com o intuito de refletir sobre os diferentes contextos e significados dos termos “acesso” e “educação”.

Após temporada em Brasília, onde foi vista por 33 mil pessoas, a mostra “Resistir é preciso” agora está no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo e ao Centro Cultural dos Correios, onde permanece até 6 de janeiro de 2014. A iniciativa mantém viva na memória dos brasileiros a luta da imprensa durante a ditadura, período em que centenas de profissionais da área foram presos, torturados e assassinados. A exposição é organizada em parceria com o Ministério da Cultura, Correios e com o Banco do Brasil e conta com obras de arte, cartazes, fotografias e depoimentos em vídeo.

No Centro Cultural Banco do Brasil, uma “linha do tempo” conta a história da resistência à ditadura militar que foi instaurada no Brasil em 1964 e que permaneceu no poder até a eleição indireta de Tancredo Neves, em 1985. Nesse período, muitos intelectuais, artistas, sindicatos, estudantes e diversos setores da sociedade civil lutaram pelo reestabelecimento da democracia no Brasil.

A mostra reúne um expressivo conjunto de obras de arte e documentos históricos que apresentam a militância dos artistas denunciando abusos e crimes da ditadura. Entre os painéis da exposição está a coleção de Alípio Freire, jornalista e ex-preso político, que reuniu obras de artistas plásticos como Sérgio Freire, Flávio Império, Sérgio Ferro e Takaoka produzidas no período de cárcere, no presídio Tiradentes, em São Paulo. Traz também ilustrações de Rubem Grilo, ilustrador de publicações como Movimento, Opinião e Pasquim da década de 1970.

A exposição extrapola os limites do CCBB e alcança também o Centro Cultural dos Correios, que recebe parte do acervo dos fotojornalistas Luis Humberto e Orlando Brito, que têm uma participação importante nos registros da história do País. Ambos registraram fotos na ditadura que expressavam o cotidiano político brasileiro. Muitas dessas imagens foram censuradas e só mais tarde se tornaram conhecidas.
“Resistir é preciso” possibilita aos jovens conhecer melhor as lutas pela reconstrução democrática, ocorridas nas décadas de 1960 a 1980, incluindo as diversas correntes de oposição ao regime militar. A atuação da imprensa na clandestinidade, no exílio e nas bancas faz parte de um cenário pouco conhecido pelo público atual, apesar de ter cumprido um papel relevante durante todo o processo de redemocratização do País.

Após São Paulo, a mostra passará também pelo CCBB Rio de Janeiro, de 12 de fevereiro a 07 de abril, e CCBB Belo Horizonte, de 05 de agosto a 05 de outubro.

FICHA TÉCNICA

Concepção Geral: Instituto Vladimir Herzog

Curadoria Geral: Fabio Magalhães

Curadoria adjunta: Vladimir Sacchetta e José Luiz Del Roio

Coordenação de Produção: Ana Helena Curti – arte3 |assessoria produção e marketing cultural ltda

Projeto Expográfico: Pedro Mendes da Rocha – arte3

Projeto Multimídia: Estúdio Preto e Branco

Comunicação Visual: Chico Homem de Melo
SERVIÇO

CCBB São Paulo

Aberto de quarta a segunda das 9h às 21h

R. Álvares Penteado, 112 – Sé, São Paulo – SP, 01012-000
(11) 3113-3651 e 3113.3652

bb.com.br/cultura

 

Centro Cultural Correios

Aberto de terça a domingo das 11h às 17h

Avenida São João, s/nº, Vale do Anhangabaú, São Paulo-SP, 01031-970

Telefone: (11) 3227-9461

e-mail: centroculturalsp@correios.com.br

http://www.correios.com.br/

 

Sobre o Instituto Vladimir Herzog

Criado em 25 de Junho de 2009, o Instituto Vladimir Herzog tem a missão de contribuir para a reflexão e produção de informações que garantam o direito à vida e o direito à justiça. Sua fundação se inspirou na trajetória de vida do jornalista Vladimir Herzog, assassinado em 1975 pela ditadura, bem como nos principais valores ligados a essa trajetória: democracia, liberdade e justiça social.

 

Tendo como bandeira a frase de Herzog “Quando perdemos a capacidade de nos indignarmos com as atrocidades praticadas contra outros, perdemos também o direito de nos considerarmos seres humanos civilizados”, o Instituto é uma OSCIP, organização sem fins lucrativos, com neutralidade político-partidária.

Compartilhe
Compartilhe este artigo: Facebook Twitter Pinterest Google Plus StumbleUpon Reddit RSS Email

Posts Relacionado

Deixe um Comentrio


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>