DOE AGORA

‘Elifas Andreato, 50 anos’

‘Elifas Andreato, 50 anos’

Exposição celebra os 50 anos de carreira de Elifas Andreato no Centro Cultural Correios, em São Paulo

A partir de 16 de abril, o Centro Cultural Correios, em São Paulo, recebe a exposiçãoElifas Andreato, 50 Anos, que reúne alguns dos principais trabalhos elaborados pelo artista paranaense ao longo de meio século de carreira, em uma trajetória que se liga à fase áurea da música popular brasileira, à luta contra o regime militar e pela afirmação da identidade cultural brasileira.

A exposição, que conta com patrocínio master dos Correios e patrocínio da Petrobras e do Sesi, segue em cartaz até 7 de junho de 2016 na capital paulista. A mostra, que marca os 50 anos de carreira de Elifas Andreato, já passou pelo Centro Cultural Correios Rio de Janeiro e pelo Museu Correios, em Brasília.

Elifas Andreato, 50 Anos tem início com uma linha do tempo, que narra desde os primeiros trabalhos do artista, realizados ainda nos tempos de operário, até as mais recentes produções, passando por alguns dos principais capítulos da história da música, do teatro e da política no Brasil.

No campo musical, estão presentes trabalhos feitos para alguns dos mais importantes nomes da MPB, como Paulinho da Viola, Elis Regina, Martinho da Vila, Tom Zé, Chico Buarque, Adoniran Barbosa e Vinicius de Moraes, entre outros.

Em estações multimídia, os visitantes podem selecionar e assistir a depoimentos do artista sobre a realização de algumas de suas principais obras para a música: capas de disco, coleções de fascículos, projetos culturais.

Os visitantes podem ainda sentar-se em torno de estações digitais para ouvir discos que Elifas embalou, a partir de um aplicativo que reproduz as velhas vitrolas, seus característicos chiados e sua forma de operação.

O trabalho do artista voltado para o universo infantil também está representado, com destaque para uma reprodução em grande escala da arca e dos bichinhos que compõem a capa do inesquecível Arca de Noé, de Vinicius de Moraes. Crianças e adultos podem se colocar dentro da capa, em uma proposta expográfica que desdobra os planos da obra, quase como em um livro pop-up.

A mesma experiência de adentrar os trabalhos de Elifas os visitantes têm com discos como Canto das Lavadeiras, de Martinho da Vila, e de cartazes para Elis Regina e para a peça Rezas de Sol para a Missa do Vaqueiro.

Outro destaque é a releitura da histórica capa do disco Ópera do Malandro, de Chico Buarque – uma das mais caras produções de arte para a indústria fonográfica. O malandro de branco que repousa num vagão de trem de subúrbio ganha espaço na exposição em uma escultura com tamanho humano. Assim, os visitantes têm a oportunidade de participar da cena, sentando-se ao lado do personagem no banco do vagão, como se tivessem entrado na capa de Chico Buarque.

A contribuição de Elifas Andreato para o teatro ganha espaço também com a reprodução de cartazes como A Morte de Um Caixeiro Viajante, de Arthur Miller, com direção de Flávio Rangel; Mortos Sem Sepultura, de Jean-Paul Sartre, dirigida por Fernando Peixoto; e Murro em Ponta de Faca, de Augusto Boal, com direção de Paulo José.

A atuação política, sobretudo durante o regime militar, tem espaço com a reprodução de alguns dos trabalhos que ilustraram a resistência à ditadura no período, como capas para publicações alternativas que fundou e dirigiu: os jornais Opinião e Movimento e a revista Argumento.

Como denúncia dos crimes cometidos pelo regime, comparecem 25 de Outubro (1981), que escancarou em tela o assassinado do jornalista Vladimir Herzog nas instalações do DOI-CODI, e o majestoso painel A Verdade Ainda que Tardia (2012), encomendado pela Comissão da Verdade da Câmara, presidida pela deputada federal Luiza Erundina.

A exposição traz ainda um raro exemplar do Livro Negro da Ditadura Militar, com capa assinada pelo artista, além de outras reproduções e objetos valiosos que ajudam a recontar a trajetória de Elifas Andreato e seu compromisso com a cultura e a história do País nos últimos 50 anos.

elifas_andreato

SOBRE O ARTISTA

Elifas Andreato nasceu no Paraná em 1946. O marco inicial da sua carreira é 1965, quando abandonou o trabalho de aprendiz de torneiro mecânico na fábrica da Fiat Lux, em São Paulo, para dar os primeiros passos em sua trajetória artística profissional.

Nos anos 1960, na Editora Abril, participou da equipe de criação de inúmeras revistas, fascículos e coleções, como Placar, Veja e História da Música Popular Brasileira. Durante o regime militar, fundou órgãos da imprensa alternativa como Opinião, Argumento e Movimento. Iniciou também o trabalho como programador visual e cenógrafo para peças teatrais memoráveis.

Ainda nesse período, destacou-se como criador de capas de discos para os mais importantes nomes da MPB. Ao longo da carreira, calcula que tenha produzido em torno de 400 trabalhos – capas antológicas de praticamente todos os grandes nomes da nossa música.

A partir dos anos 1990, seu trabalho voltou-se para a área editorial, tornando-se responsável pelas históricas coleções MPB Compositores e História do Samba, ambas lançadas pela Editora Globo, e pelo Almanaque Brasil, publicação mensal que circula nos voos da TAM.

Em 2011, pelo conjunto da obra, recebeu o Prêmio Especial Vladimir Herzog, concedido a pessoas que se destacam na defesa de valores éticos e democráticos e na luta pelos direitos humanos. O reconhecimento, assim como a comenda da Ordem do Mérito Cultural, se junta a diversos prêmios que recebeu ao longo da carreira pela contribuição ao País, seja no campo artístico, político ou social.

SOBRE A ATUAÇÃO CULTURAL DOS CORREIOS

Os Correios atuam no fomento à cultura brasileira, por meio da disponibilização de seus centros e espaços culturais para diversos tipos de manifestações artísticas. A empresa mantém unidades em São Paulo/SP, Recife/PE, Salvador/BA, Fortaleza/CE, Juiz de Fora/MG e Rio de Janeiro/RJ, além do Museu Nacional dos Correios em Brasília.

Desde 2004, os projetos são escolhidos por meio de seleção pública, garantindo transparência à destinação dos recursos e possibilitando o acesso democrático aos patrocínios da empresa. Com essa iniciativa, os Correios fortalecem e divulgam a cultura, cumprindo seu papel de empresa pública e agente do governo federal.

Desde 2013, o Centro Cultural Correios São Paulo vem oferecendo ao público uma programação cultural diversificada, de qualidade e gratuita. O espaço ocupa uma área de 1.280m² do amplo Prédio Histórico dos Correios, que abriga também a Agência Central dos Correios de São Paulo, considerada a maior do país, e a Agência Filatélica D. Pedro II. Inaugurado em 1922, o Prédio Histórico é um dos cartões postais do centro de São Paulo, pelas suas dimensões arquitetônicas, tamanho e localização.

expo_elifas

Clique na imagem para acessar o site da exposição

 

Serviço:

Abertura: 16 de abril de 2016, às 13h
Visitação: de 16 de abril a 7 de junho de 2016
Terça a domingo, das 11h às 17h
Entrada franca / Livre para todas as idades

Centro Cultural Correios
Av. São João, s/nº – Vale do Anhangabaú, Centro.
São Paulo-SP  – Tel.: (11) 2102-3690

Mais insformações:  www.elifas50anos.com.br