DOE AGORA

19,5% das mortes violentas em 2017 em SP foram causadas por policiais

19,5% das mortes violentas em 2017 em SP foram causadas por policiais

Percentual é o mais alto do país; considerando o número de policiais mortos no mesmo período, estado fica em 2º lugar, com 60 vítimas – só atrás do Rio.

Com informações do G1

No ano passado, 940 pessoas foram mortas por policiais em São Paulo, aponta levantamento do G1 com dados obtidos via Lei de Acesso à Informação (LAI). O número representa 19,5% das 4.832 mortes violentas registradas no estado em 2017.

O percentual é o mais alto do país. No Amapá, 17,2% das mortes violentas foram causadas por agentes públicos de segurança; no Rio foram de 16,7%.

Das 940 mortes, 687 foram provocadas por policiais em serviço e 253 por agentes em horário de folga.

De acordo com o pesquisador do Núcleo de Estudo da Violência da USP, Bruno Paes Manso, os crimes estão diminuindo no estado, mas a violência policial aumenta.

“Os crimes em geral estão caindo. Vem caindo homicídio, vem caindo roubo, furto, roubo de veículos. A cena criminal, a não ser o tráfico de drogas que está muito forte, vem caindo. Só a violência policial é que está aumentando”, afirma o pesquisador.

“A polícia sempre usa a justificativa de que mata, porque é uma cena criminal que exige resposta pronta e os criminosos estão sempre dispostos a atirar. Neste caso, a cena criminal vem diminuindo de intensidade, mas mesmo assim a polícia continua matando cada vez mais”, continua Manso.

Policiais mortos
No mesmo período, 60 policiais morreram no estado. Desse total, 45 estavam fora de serviço e 15, trabalhando.

Considerando o número absoluto de policiais mortos, São Paulo fica em segundo lugar, atrás apenas do Rio de Janeiro, onde 119 agentes de segurança morreram no ano passado.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) diz que, em 2017, “o índice de suspeitos que morreram após entrarem em confronto com a polícia foi de 18%”. “Também no ano passado foram presos em flagrante 152.448 pessoas contra 687 que morreram ao confrontar a polícia durante o serviço. Assim, o total de mortos sobre o universo de pessoas presas representa 0,45%.”

A pasta acrescenta que “desenvolve ações para redução da letalidade policial”, entre elas “a implantação da Resolução SSP 40/15 que visa garantir maior eficácia nas investigações de mortes, com o comparecimento das Corregedorias e dos Comandantes da região, além de equipe específica do IML e IC”.

Segundo o comunicado, “os casos só são arquivados após minuciosa investigação pelas polícias a pedido do Ministério Público e ratificação do Judiciário”.

Toda a ocorrência é acompanhada, monitorada e analisada para constatar se a ação policial foi realmente legítima”.